Protesto contra irregularidades e por justiça no caso do assassinato de Andreu Luis da Silva de Carvalho

RJ: Protesto contra irregularidades e por justiça no caso do assassinato de Andreu Luis da Silva de CarvalhoNo dia 1º de janeiro de 2011, Deize Silva de Carvalho passou, pela terceira vez, um réveillon diferente dos demais. Seu, filho, Andreu Luis da Silva de Carvalho, foi barbaramente assassinado nas dependências do CTR (Centro de Triagem) por seis agentes do Degase (Departamento Geral de Ações Sócio-Educativas), uma instituição destinada a “ressocializar jovens” sob custódia do Estado, no dia 1º de janeiro de 2008.

Andreu tinha sido detido no dia anterior acusado de participar de um roubo a um coronel norte-americano, na orla de Ipanema. No dia 1º, após ter reagido a uma agressão dos agentes, Andreu sofreu uma cruel sessão de torturas com mesas, cadeiras, cabos de vassoura, saco plástico sobre seu rosto e outros instrumentos, o que acabou gerando sua morte.

O Estatuto da Criança e do Adolescente garante aos jovens serem protegidos fisicamente pelo Estado, garantido também a punição para os que descumprirem seus artigos. Entretanto, passados três anos do ocorrido, o fato ainda se encontra em fase de inquérito e seus responsáveis continuam trabalhando no Degase.

Uma das provas da irregularidade e da total falta de empenho dos órgãos responsáveis na investigação do crime é o fato de uma decisão judicial de 14/03/2009 ter determinado que o corpo de Andreu fosse exumado e se procedesse a um novo laudo necroscópico pelo IML. O Instituto, entretanto, não cumpriu a decisão, que foi reafirmada em 26/11/2009 e mais uma vez desrespeitada. O novo exame cadavérico é fundamental para o caso, pois provaria as torturas e espancamentos sofridos por Andreu.

Este caso é mais uma prova da política de extermínio e criminalização da pobreza. Por isso, no dia 19 de janeiro de 2011 iremos às ruas manifestar nosso repúdio a esta política que criminaliza nossos jovens e negros. Para exigir justiça e recordar a memória de Andreu e tantos outros: é hora de lembrar também a morte de Cristiano, outro adolescente em cumprimento de medida sócio-educativa que também foi assassinado no Degase; é hora de lembrar Matheus, Hanry, Renan, João Roberto e tantos outros que foram vitimados por essa política excludente.

Estaremos nos manifestando a partir das 11h em frente ao Instituto Médico Legal (Av. Francisco Bicalho, 300). De lá nos dirigiremos ao Tribunal de Justiça na Av. Erasmo Braga 115, centro, onde entregaremos ofício ao Juizo solicitando audiência sobre o caso.

(Da Rede contra Violência/RJ)

Apesar de varias denucias de maus tratos e torturas dentro de uma unidades aonde deveria proteger e zelar pelo bem estar fisico e moral dos adolecentes eles são severamente submetidoa aos maus tratos das autoridades constituidas do nosso País , o que mais me repuguina é saber que as autoridades como o Eca ,Cedeca ,os desembargadores ,juizes da vara da infancia e da juventude cruzam os braços para assassinos frios e calculista como os agentes do degase dando suporte para que eles continuem matando filhos de mulheres pobres e negras da favela , porque eles sabem que filhos dos poderosos burgueses de nosso Pais não vão parar em lugar aonde foi preparado para torturar a classe pobre. Gostaria muito que a Constituição deste Pais lutassem por igualdade social em defesa dos direitos humanos para todos, CHEGA DE MASSACRE A FAMILIA POBRE

  • Lamentável mais este fato em Fpolis. O que as crianças podem aedrnepr com atitudes iguais a esta? Enquanto educadora sinto-me muito triste ao perceber o nível de violência a que todos estão submetidos.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *