Quarentena para salvar vidas

Quarentena para salvar vidas. Por Gilvander Moreira[1]

Ilustração de Rita Wainer e Júlia Gastin sobre o isolamento social causado pelo coronavírus. Divulgação / Rede Virtual

“Fique em casa!”. Esse é o alerta dado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelas autoridades sanitárias sensatas e pelas jurisdições éticas e responsáveis. “Um grito pode salvar a boiada”, diz a sabedoria popular. Ficar em casa, em quarentena, até debelarmos a transmissão comunitária do coronavírus é necessário, vital e imperativo ético. O despresidente do Brasil, que está desgovernando nosso país, por meio de atitudes deprimentes, irresponsáveis e criminosas, ao desdenhar da ciência e da OMS, continua incitando o povo a entrar na fila do matadouro. Ignorem-no! A história nos mostra que a pandemia que teve início em 1918, a do vírus influenza, chamada erroneamente de “gripe espanhola”, infectou 500 milhões de pessoas e matou mais de 50 milhões de seres humanos, um quarto da população mundial à época, há 102 anos, entre 1918 e 1920. O ex-presidente do Brasil, Rodrigues Alves, morreu, vítima desta pandemia, inclusive.

O conto A Roupa Nova do Rei, de Hans Christian Andersen, de 1837, versa sobre um rei ensimesmado e narcísico, que passava o tempo só trocando de roupas e se exibindo. Se dizendo tecelões, dois artistas chegaram diante do rei e prometeram-lhe fazer a roupa mais maravilhosa do mundo, capaz de lhe tornar invisível diante das pessoas que não fossem capazes de exercer as funções reais e diante dos tolos.  O rei pensou: “Com essa roupa controlarei todo o povo, espionando quem é incompetente e serei temido pelos medrosos e aplaudido pelos tolos.” Após o rei fornecer muita seda pura e uma infinidade de fios de ouro, os dois artistas seguiram ludibriando o rei. Despiram-no e lhe fizeram acreditar que estava vestindo uma roupa imaginária maravilhosa. Após, o rei narcísico saiu em cortejo pela cidade, onde muitos temendo contrariá-lo elogiavam mentirosamente a beleza de sua nova roupa. Diz o conto: “Até que subitamente uma criança, do meio da multidão gritou: O rei está nu!!! “Ouçam! Ouçam o que diz esta criança inocente!” – observou o pai a quantos o rodeavam. Imediatamente o povo começou a cochichar entre si. “0 rei está nu! O rei está nu!!”- começou a gritar o povo”.

Grandes empresários, banqueiros, investidores e capitalistas em geral – elite escravocrata -, tal como no conto A Roupa Nova do Rei estão nus e desesperados. Nunca se demonstrou com tanta evidência que é a classe trabalhadora do campo e da cidade que produz tudo com sua força de trabalho a partir da mãe terra e de toda a natureza.  Cegados e obcecados pela ganância em acumular capital, os capitalistas, como capitães do mato, incitam parte da classe trabalhadora a voltar ao trabalho e a abandonar a quarentena. Não caiam nesta armadilha! Eles dizem que o coronavírus é uma ‘gripezinha”, porque querem continuar lucrando e acumulando capital. Eles sabem muito bem que o coronavírus já matou em todo o mundo mais de 38 mil pessoas e matará milhões, provavelmente. No Brasil já são mais de 200 mortos. É hora de combatermos a ignorância e os interesses escusos de quem, de forma criminosa, incita o desrespeito à quarentena. Estima-se que no Brasil, pelo coronavírus, podem morrer de 50 mil a um milhão de pessoas. Portanto, quem está dizendo que o povo não precisa ficar em quarentena, que não deve se precaver, está maquinando a morte de milhares de seres humanos. Isso é necropolítica, é fascismo, é nazismo, é crime de lesa-humanidade. Se a quarentena não for levada a sério por todo o povo brasileiro agora, sem vacilar, quando a mortandade de pessoas se alastrar, teremos que fazer quarentena aos prantos com uma espada de dor transpassando o coração pela morte de muitos parentes, amigos e outras milhares de pessoas, senão milhões, isso só para falar no nosso querido Brasil.

Segundo a Bíblia, as “pragas” do tempo do Êxodo do povo escravizado pelo imperialismo dos faraós do Egito eram pragas, mas também maravilhas. Para os opressores eram pragas, porque desmascarava a violência perpetrada contra o povo e exigia conversão, mas para o povo escravizado eram maravilhas, porque era caminho para a superação da escravidão. Como Deus solidário e libertador, Javé enviou nas entranhas da história uma praga/maravilha propondo conversão. Como a conversão não veio, tornou-se necessário a segunda praga/maravilha e sucessivamente até a ‘décima’ praga/maravilha até a libertação do povo passando pelo mar vermelho. Além do mais, as tais “pragas”, no mundo antigo, não eram castigo de Deus, mas o resultado de situações críticas naturais ou políticas: a fome era o resultado de toda estiagem prolongada e peste nas plantações, assim como a morte dos jovens era o efeito da ação militarista e beligerante dos governantes. Logo, o coronavírus não é castigo de Deus, pode ser praga ou maravilha para a humanidade, dependendo da forma como o encaramos e das lições que tiraremos dessa pandemia. Eliane Brum, uma das melhores jornalistas do Brasil, no artigo O vírus somos nós (ou uma parte de nós), alerta: “O futuro está em disputa: pode ser Gênesis ou Apocalipse (ou apenas mais da mesma brutalidade)”. Brum aponta o rumo: “A pandemia de coronavírus revelou que somos capazes de fazer mudanças radicais em tempo recorde. A aproximação social com isolamento físico pode nos ensinar que dependemos uns dos outros. E por isso precisamos nos unir em torno de um comum global que proteja a única casa que todos temos. O vírus, também um habitante deste planeta, nos lembrou de algo que tínhamos esquecido: os outros existem.”[2]

Na Bíblia, os profetas e profetisas sabem que a palavra profética conduz, às vezes, à conversão de alguns poucos, mas, na maioria das vezes, leva ao endurecimento de muitos, em um primeiro momento. Os oráculos de condenação no futuro, pronunciados com absoluta segurança, refletem a consciência dos profetas de que a advertência seria inútil. Essa consciência dos profetas e profetisas se apresenta, de modo muito claro, por meio do profeta Isaías, em Is 6,9-11: “Então disse ele: Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado. Então disse eu: Até quando Senhor? E respondeu: Até que sejam desoladas as cidades e fiquem sem habitantes, e as casas sem moradores, e a terra seja de todo assolada”. Oxalá, o povo e as autoridades ouçam o quanto antes o jeito sábio e necessário de lidarmos com essa pandemia, antes que seja tarde.

Se a quarentena for levada a sério, a pandemia do coronavírus nos trará dores de parto e não estertor de morte. Vivamos com serenidade, paz interior, amor no coração e esperança no olhar, essa noite escura da humanidade transformando, como propõe Carlos Rodrigues Brandão, “quarentena” em “recolhimento”, “não sair de casa” em “voar com a imaginação e o sentimento”, “isolamento” em “reencontro”, “não abraçar” em “comungar”, “medo do contágio” em “desejo do contato”… E que tal darmos asas à criatividade que tem sido partilhada e socializada, gratuitamente, pelas redes virtuais por meio de poesias, vídeos instrutivos, ironia que nos faz sorrir, reflexões humanizadoras, denúncias da necropolítica etc. Cultivemos eterna gratidão aos trabalhadores e trabalhadoras das áreas essenciais: da saúde, da limpeza, do transporte, da segurança pública e da produção de alimentos, em especial aqueles que praticam a agroecologia e fazem chegar a nossa mesa alimentos saudáveis. Porém, repudiemos o despresidente do Brasil por decretar que “cultos e celebrações religiosas” e também as atividades de “mineração” são serviços essenciais. Isso é criminoso e revela o quanto o presidente cego está em conluio com falsos pastores idólatras e com o império da mineração no qual se destaca a empresa Vale.

Em sintonia com Tatiana Ribeiro de Souza: “Esperamos que um dos legados do coronavírus seja a percepção de que a existência de ilhas de prosperidade em um oceano de miséria é, além de imoral, insustentável.”[3]. E por falar em poesia, termino com Thiago de Mello: “Faz escuro mas eu canto, / porque a manhã vai chegar. / Vem ver comigo, companheiro/a, / a cor do mundo mudar. / Vale a pena não dormir para esperar / a cor do mundo mudar. / Já é madrugada, / vem o sol, quero alegria, / que é para esquecer o que eu sofria. / Quem sofre fica acordado / defendendo o coração. / Vamos juntos, multidão, / trabalhar pela alegria, / amanhã é um novo dia”. Sim, é noite escura, mas no meio de noite escura pode brilhar uma luz que nos humaniza e poderá impedir o extermínio da humanidade do Planeta Terra, nossa única Casa Comum. Enfim, pelo exposto acima ficarmos em casa, em quarentena, é medida necessária e ética para salvar vidas[4].

31/03/2020, 56 anos da Ditadura militar-civil-empresarial de 1964. Ditadura Nunca Mais!

Obs.: Os vídeos nos links, abaixo, ilustram o assunto tratado acima.

1 – Poesia e lutadores da história no V Congresso do MLB em Recife. Vídeo 7 – 14/9/2019

2 – Café com Poesia, Mesa de Thereza, Cantoria de Eda Costa – Armazém do Campo/MST/BH – 26/11/2017

3 – Emily Roots e Mari Mari Mari-1ª Parte: Poesia e Música de luta da Ocupação Rosa Leão/BH/MG. 05/8/17

4 – Emily Roots e Mari Mar-2ª Parte- Luta e resistência na poesia e na música-BH/MG-05/8/2017

5 – Poesia e Música de Luta e Resistência na Abertura do XXII Encontro da RENAP -BH/MG- 06/ 9/ 2017

6 – “Para vocês avião, para nós camburão.” Poesia na 39a Romaria da terra e das águas da Bahia. 02/07/16

[1] Frei e padre da Ordem dos carmelitas; doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, Itália; assessor da CPT, CEBI, SAB e Ocupações Urbanas; prof. de “Movimentos Sociais Populares e Direitos Humanos” no IDH, em Belo Horizonte, MG. E-mail: [email protected] – www.gilvander.org.br – www.freigilvander.blogspot.com.br      –       www.twitter.com/gilvanderluis        –     Facebook: Gilvander Moreira III

[2] Cf. https://brasil.elpais.com/opiniao/2020-03-25/o-virus-somos-nos-ou-uma-parte-de-nos.html

[3] Cf. https://www.brasildefato.com.br/2020/03/27/artigo-a-letalidade-do-virus-jair-bolsonaro

[4] Gratidão à Carmem Imaculada de Brito, que fez a revisão deste texto. Carmem é Doutora em Sociologia Política pela UENF.