Por que escrever?

Poucos textos tenho encontrado tão benéficos para mim, quanto o de Anaïs Nin, intitulado “A nova mulher,” no seu livro “Em busca de um homem sensível.” Inspirador, mobilizador, revelador. Aos poucos vou mergulhando em cada uma das suas frases, cada um dos seus insights.

Não posso menos que recordar com profundo agradecimento, ao aluno que me deu este texto, quando eu era professor na Escola de Sociologia e Politica de São Paulo. Volto e volto mais uma vez sobre este escrito, como quem tem a certeza de estar a encontrar ainda e sempre, mais dessa riqueza que só a arte profunda e autêntica tem para nos oferecer. Irei me deter agora nas frases iniciais desta peça tão valiosa. Um texto de 1974, que eu vim ler em 1984. Diz a autora:

Por que as pessoas escrevem? Já me fiz tantas vezes esta pergunta que hoje posso respondê-la com a maior facilidade. Elas escrevem para criar um mundo no qual possam viver. Nunca consegui viver nos mundos que me foram oferecidos: o dos meus pais, o mundo da guerra, o da política. Tive de criar o meu, como se cria um determinado clima, um país, uma atmosfera onde eu pudesse respirar, dominar e me recriar cada vez que a vida me destruísse. Esta é a razão de toda obra de arte.

Só o artista sabe que o mundo é uma criação subjetiva, que é preciso escolher, selecionar. A obra é a concretização, a encarnação do seu mundo interior. Ele espera impor sua visão pessoal, partilhá-la com os outros. Se não atinge esta última finalidade, o verdadeiro artista persiste assim mesmo. Os poucos momentos de comunhão com o mundo valem esse sofrimento, pois finalmente esse mundo foi criado para os outros como um legado, como um dom destinado a eles.

Também escrevemos para aprofundar o nosso conhecimento da vida. Para atrair, encantar e consolar. Para degustar em dobro a vida: no momento preciso e retrospectivamente, na sua lembrança. Escrevemos, como Proust, para tornar as coisas eternas e para nos convencermos de que elas o são. Para podermos transcender a nossa vida e alcançarmos o que existe além dela. Escrevemos para aprender a falar com os outros, para testemunhar nossa viagem no labirinto. Para abrir, expandir nosso mundo quando nos sentimos sufocados, oprimidos ou abandonados. Escrevemos como os pássaros cantam, como os primitivos dançam seus rituais. Se você não respira quando escreve, não grita, não canta, então não escreva porque a sua literatura será inútil. Quando não escrevo meu universo se reduz; sinto-me numa prisão. Perco minha chama, minhas cores. Escrever deve ser uma necessidade, como o mar precisa das tempestades –é a isto que chamo respirar. (pp. 18-19)

Estas palavras e afirmações, que estiveram e continuam a estar comigo ao longo de todos estes anos, tenho a certeza de que continuarão a ser um exemplo vivo do que é uma obra de arte. Não é por acaso que venho nesta oportunidade a revalorizar estas palavras mobilizadoras e libertadoras. A pressão sobre as pessoas neste instante, é enorme. As redes sociais, o estado, a chamada imprensa (que imprensa), parece não deixar mais do que algumas brechas, uns espaços mínimos, por onde podemos ainda respirar, ainda insistir em tentar a vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *