Papa Francisco: Viver na disponibilidade

imagesHomilia do Papa Francisco, na missa celebrada por ocasião do Jubileu dos Diáconos, em 29/05/2016

“Servidor de Cristo” – escutamos esta expressão com a qual o Apóstolo Paulo se define, escrevendo aos Gálatas. No início da Carta, apresentara-se como apóstolo, pela vontade de Jesus. Os dois vocábulos, apóstolo e servidor, vêm juntos, nunca poder ser nunca separados. São como que duas faces da mesma moeda: quem anuncia a Jesus, é chamado a servir, e quem serve anuncia a Jesus. Isto o Senhor mostrou, primeiro: Ele, a Palavra do Pai; Ele, que nos trouxe, primeiro, a Boa Nova, Ele que é em Si mesmo a Boa Nova, fez-es o nosso Servidor, não veio para ser servido, mas para servir. “Fez-Se o Diácono de todos”, escrevia um Padre da Igreja. Assim como Ele fez, assim também seus anunciadores são chamados a fazer. Um discípulo de Jesus não pode andar num caminho diferente do do caminho do Mestre, mas se quiser anuncia-Lo, deve imitá-Lo, como fez Paulo: buscar tornar-esse servidor. Em outras palavras, evangelizar-se é a missão proposta a todo cristão, no Batismo, servir é o jeito de viver a missão, o único jeito de ser discípulo de Jesus. Sua testemunha é quem faz como Ele: serve os irmãos e as irmãs, sem se cansar de Cristo humilde, sem se cansar da vida cristã, que é vida de serviço.

Como começar a nos tornarmos “servos bons e fiéis”? Como um primeiro passo, somos chamados a viver a disponibilidade. O servidor aprende, todo dia, a renunciar a ter tudo ao seu dispor e a dispor de si como quer. A cada manhã, treina de doar a sua vida, exercita o pensar que o dia completo não será seu, mas será para viver como um dom de si. Com efeito, uem serve não é um zeloso guardião do seu próprio tempo, mas renuncia a ser o dono da própria jornada. Sabe que o tempo que vive, não lhe pertence, mas é um dom que recebe de Deus, para oferece-lo, por sua vez. Somente assim, produzirá realmente fruto. Quem serve não é escravo da agenda que organiza, mas, de coração dócil, faz-se disponível ao não programado: prontamente se abre ao irmão, protamente se abre diante do imprevisto, que nunca deixa de ocorrer, e muitas vezes se constitui na surpresa cotidiana de Deus. O servidor sabe abrir as portas do seu tempo e dos seus espaços a quem lhe está próximo e até quem lhe bate a porta, fora do horário, de modo a interromper o que lhe agrada ou o merecido repouso.

Assim, caros diáconos, vivendo na disponibilidade, o serviço de vocês estará livre de interesse próprio e será evangelicamente fecundo.
https://www.youtube.com/watch?v=aXRIz5p3NS0
Trad.: AJFC