Identidade

Escrevo. Gosto de escrever. Escrevo como quem vêm para o que lhe é próprio. Meu lugar é numa folha em que escrevo e leio, e também no mundo lá fora e aqui dentro. Não me preocupa repetir. Não escrevo para dizer algo novo, necessariamente, mas apenas para estar no meu lugar. Quando estou aqui, passado e presente se juntam, todos os dias se tornam um só.

Tudo que li e vivi e escrevi ficam sendo uma única coisa, uma única substância que sou eu mesmo. Se desfaz a dissociação entre o que faço e o que sou. Sou o que faço. O que faço é isso, vir para a folha, estar na folha.

Fazer aqui meus sonhos reais. Nascer de novo. Ficar belo e radiante. Comunidade que dissolve a distância. A solidão torna-se plena pois aqui estão todos meus seres queridos. Não há frustrações, pois tudo que desejo se torna realidade.

Aqui sou o mago que detêm as guerras e bloqueia a injustiça. Aqui não há impunidade nem imunidade. Apenas humanidade. Humanidade em busca de si mesma, em incessante vai vem, e onde recolho de cada pessoa que encontro, alguma faísca que trago para mim. Perco a vã expectativa de perfeição que me afasta de mim mesmo tanto quanto das demais pessoas. Admiro o arco-íris que espreita no meio das nuvens cinza.

Gostei muito desse texto, Rolando. Em verso ou em prosa, você manda muito bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *