Diretas-já: a chance desperdiçada de uma verdadeira redemocratização

Celso Lungaretti

Mais uma efeméride começa a ser intensamente comemorada: os 25 anos das diretas-já, campanha desenvolvida pela cidadania para convencer o Congresso Nacional a aprovar a emenda Dante de Oliveira, que restabelecia imediatamente as eleições diretas para presidente da República.

Houve uma série de grandes comícios nas nossas principais capitais, alguns deles reunindo até 1 milhão de brasileiros que não suportavam mais o totalitarismo implantado pelos golpistas de 1964.

As minhas melhores lembranças são a daquele mar de camisas amarelas sinalizando a volta da esperança; a do incrível carisma de Leonel Brizola que, em função da mesquinha disputa de espaço político no campo da esquerda, começou vaiado seu discurso numa manifestação das diretas-já na Praça da Sé (SP) e, com uma fala empolgante, conseguiu colocar o público a seu favor, terminando sob aplausos generalizados; e a da promessa do craque Sócrates num comício-monstro do Anhangabaú (SP), de que, caso fosse restituído ao povo brasileiro o direito de escolher seu presidente, ele ficaria aqui para contribuir na redemocratização, recusando a proposta astronômica da Fiorentina.

Infelizmente, o Congresso rejeitou em abril/2004 a Dante de Oliveira e a eleição acabou sendo, mais uma vez, indireta. Aí, parcela dos parlamentares que frustraram a vontade popular abandonou o partido da ditadura (PDS) e formou uma nova agremiação (o atual DEM) que, unida ao PMDB, assegurou a vitória do peemedebista Tancredo Neves no colégio eleitoral.

Os vira-casacas de última hora receberam todas as recompensas, inclusive a posição de vice na chapa de Tancredo, que acabou catapultando José Sarney à Presidência. Foi paradoxal: como Tancredo, vitimado por uma infecção generalizada, nem sequer pôde assumir, o primeiro presidente pós-ditadura acabou sendo alguém que, meses antes, era um dos porta-vozes da ditadura.

E as perguntas que não querem calar:

  1. quando, exatamente, esses congressistas de origem arenosa decidiram desembarcar da canoa furada da ditadura?
  2. foi só depois de eles terem assegurado, com seus votos, a rejeição da emenda Dante de Oliveira?
  3. ou já tinham esse projeto em mente, mas voltaram as costas ao povo para depois obterem o melhor preço nas barganhas com o PMDB?

O certo é que, pelo voto popular, daria Brizola ou Lula; pela via indireta, deu Tancredo.

A grande imprensa, sob a batuta da Rede Globo, tudo fez para vender o conceito de que tal saída da ditadura pela porta dos fundos era o coroamento das diretas-já.

O auê saudando a Nova República foi poeira colorida atirada nos olhos dos brasileiros, que acabaram engolindo gato por lebre: uma redemocratização pela metade, com expressiva partipação de cúmplices da ditadura, ao invés da verdadeira ruptura com o totalitarismo que a aprovação da emenda Dante de Oliveira teria propiciado.