Destaques da homilia do Papa Francisco, hoje, na catedral de Manila

– (Dirigindo-se especialmente aos bispos, padres e religiosos e religiosas, a partir da citação do Evangelho de João, 21.15-17): “Todo ministério pastoral nasce do amor. Toda vida consagrada é sinal do amor reconciliador de Cristo. (…) Na diversidade de nossas vocações, cada uma de nós é chamado a ser amor no coração da Igreja.”

– “Sentimos gratidão pelo legado de bispos, padres e religiosos de gerações passadas. Eles trabalharam não apenas para pregar o Evangelho e edificar a Igreja neste país, mas também para forjar uma sociedade inspirada no Evangelho da caridade, do perdão e da solidariedade, a serviço do bem comum.”

– “Hoje, vocês continuam esse trabalho de amor. Assim como eles, vocês são chamados a construir pontes para apascentar o rebalho de Cristo.”

– “Nós somos embaixadores de Cristo.” Nosso ministério é de reconciliação. Nós proclamamos a Boa Nova do infinito amor, misericórdia e compaixão de Deus. Proclamamos o Evangelho da alegria, pois o Evangelho é a promessa da graça de Deus, que só pode trazer plenitude e cura para o nosso mundo quebrantado. Ele pode inspirar a construção de uma ordem social verdadeiramente justa e redimida.”

– Sublinhando que evangelização implica conversão individual e de povo, ele cita os bispos das Filipinas, segundo os quais “A Igreja é chamada a reconhecer e a combater a desigualdade e a injustiça profundamente enraizadas na sociedade filipina, em contradição frontal com o ensinamento de Cristo.”

– “O Evangelho convida os cristãos individualmente a levarem vidas honestas, íntegras e com preocupação com o Bem Comum. Mas também ele chama as comunidades cristãs a criarem “círculos de integração”, redes de solidariedade que podem expandir-se para socorrer e transformar a sociedade, por meio do seu testemunho profético.”

– “São Paulo deixa claro que acolher a graça de conciliação em nossos corações (…) significa para nós rejeitar as perspectivas mundanas e ver todas as coisas de modo novo, à luz de Cristo. Significa examinar nossas consciências, reconhecer nossas falhas e pecados, e abraçar o caminho de constante conversão.”

“Para nós, padres e pessoas de vida consagrada, a Boa Nova do Evangelho implica conversão ao Senhor, por meio da oração. Os santos nos ensinam ser esta a fonte de todo zelo apostólico. (…) Assim, seremos encorajados a uma união cada vez nais íntima com o Senhor, na perfeita caridade

-“Para todos nós, isto significa viver uma vida que reflita a pobreza de Cristo, cuja vida inteira esteve focada em fazer a vontade do Pai e servir os outros.”

– “Só nos tornando pobres, abandonando o nosso conformismo, é que seremos capazes de nos identificar com os últimos dos nossos irmãos e irmãs. Veremos as coisas a uma nova luz, podendo assim responder, com honestidade e com integridade, ao desafio de proclamar a radicalidade do Evangelho, numa sociedade que se mostra conformada com a exclusão social, a polarização e a escandalosa desigualdade.”

https://www.youtube.com/watch?v=xnsBcJoLPE0

Trad.: Alder Júlio Ferreira Calado

Nós também Somos Igreja, grupo de estudo, reflexão e ação social cristã.

Seções: Opinião. Tags: , .