De Papai Noel, coelinho da Páscoa e Lucia Hippolito

“Censura e aparelhamento ideológico” é a acusação da articulista-cão-de-guarda do mercado financeiro Lucia Hippolito contra a nova direção do IPEA (leia aqui), entre outros articulistas-cães-de-guarda de diversos jornais da imprensa de referência (leia aqui).

Diz a moça: “Nem a ditadura mais feroz jamais interferiu no Ipea (…) É preocupante saber que quatro pesquisadores renomados foram afastados por não comungarem com a opinião do governo. Isso cria uma situação de constrangimento dentro do Ipea, mesmo entre os pesquisadores que apóiam o governo”, disse, enxergando “uma censura à liberdade de expressão acadêmica”. “A autonomia do Ipea é patrimônio do país”.

Ela esqueceu de dizer que, dentro desta visão, “patrimônio” mais importante ainda que o público é o privado, que ela tanto defende.

Na verdade, constrangidos estão os neoliberais de plantão, que começam a enfrentar uma oposição da ditadura do mercado, essa sim a “ditadura mais feroz”, que temos atualmente.

Como destacou Paulo Passarinho, as razões que levaram com que os fatos que ocorrem dentro do IPEA viessem a ser profundamente manipulados e deformados, pelas matérias publicadas e aqui mencionadas, relacionam-se aos posicionamentos que Márcio Pochmann e João Sicsú têm assumido frente ao debate sobre a política econômica.

Ambos são críticos contundentes das políticas pretensamente de austeridade fiscal, preconizadas especialmente pelos banqueiros e economistas relacionados aos interesses do mercado financeiro. Pretensamente de austeridade fiscal, pois esses defensores da ordem imposta por Lula e pelo Banco Central conseguem construir um silêncio sepulcral em relação à irresponsável política monetária, principal fator de desequilíbrio das contas públicas.

Parabéns ao economista Márcio Pochmann e meus pêsames a quem ainda acredita em Papai Noel, coelinho da Páscoa e Lucia Hippolito.

Gustavo Barreto, co-editor Consciência.Net ([email protected])