Conscientemente

Esta revista é um projeto de imprensa livre comprometido com a cidadania e com os Direitos Humanos. Estamos tendo a visita de pessoas que são totalmente contrárias a estas diretrizes. Deixam comentários que dizem mais delas mesmas, do que da nossa revista.

Algumas destas pessoas exibem nas suas páginas de Facebook, mensagens em favor de um candidato que é um criminoso de lesa humanidade. Outras, exibem uma solidão e vazio existencial arrasadores. Sejam bem-vindas e bem-vindos.

A consciência se constrói em diálogo. É um trabalho árduo, o de tentarmos povoar o nosso interior, com amor, ao invés do ódio que nasce do auto-rechaço. A iniciativa de amar a nós mesmos, é um passo imprescindível para que um dia possamos amar a mais alguém.

Todas as pessoas merecem ser respeitadas, não importa a cor da sua pele, a sua nacionalidade, a opção sexual ou religiosa, o nível sócio-econômico. No momento atual, o Brasil necessita da nossa lucidez.

A nossa capacidade de tentarmos enxergar os demais, como potenciais colaboradores e colaboradoras. Não deixem nesta revista, as marcas da sua ignorância.

Aproveitem para verificar o quanto nos faz bem, aprender a história, conhecer as opiniões e as obras de pessoas e movimentos voltados para a construção de redes solidárias. O poder de uma religiosidade e espiritualidade libertadoras.

A poderosíssima capacidade que a arte têm, de nos ir integrando neste universo maravilhoso, a través da criação. A vida é muito breve, como para que a desperdicemos sendo marionetes de interesses poderosos que podem manipular as nossas ações e pensamentos.

Não sejam idiotas úteis nem inúteis. Pensem, leiam, estudem, conheçam. Só tem a ganhar. Aprendam a ver por si mesmos e por si mesmas. Ninguém tem o direito de se apossar  da nossa própria percepção: só nós mesmos. Isto é consciência.