Comentário: Boris Casoy, garis e redes sociais

Por Raphael Perret, do Butuca Ligada

O ano de 2010 começou quente no mundo da mídia. Na verdade, a chama esteve acesa antes mesmo da meia-noite de 1º de janeiro: no último dia de 2009, Boris Casoy, apresentando o Jornal da Band, deixou escapar comentários ultrapreconceituosos contra garis que desejavam feliz ano novo. Veja abaixo:

O apresentador, no dia seguinte e no mesmo telejornal, pediu – tímida e rapidamente – desculpas “aos garis e aos telespectadores”, confira:

O vazamento da “brincadeirinha” de Casoy foi assunto recorrente no Twitter e em e-mails que recebi no primeiro dia de 2010. Está mais do que claro que a repercussão só foi grande porque o vídeo se espalhou depressa pela internet, via YouTube e redes sociais. Sem essa difusão, jamais o apresentador teria que passar pelo constrangimento de pedir desculpas no ar por seus comentários.

Pergunto-me se as piadinhas de Boris Casoy tivessem sido proferidas há dez anos. Elas se transformariam em mais uma dessas lendas da TV brasileira, assistidas por alguns poucos “sortudos”, que jurariam ter ouvido as frases, mas jamais poderiam confirmar que elas realmente foram ditas. Algo parecido com a lenda de que Lobão teria discutido de forma chula com Clodovil no antigo programa de entrevistas dele: muita gente diz que viu, mas as cenas nunca apareceram e Lobão já afirmou que nunca teria sido tão grosseiro (veja o final da página 20 desta entrevista do cantor à Playboy em 2000).

Enfim, tudo isso pra dizer que, se ainda não sabemos pra onde vai esse mundo com a explosão das redes sociais, a certeza é que, hoje, é impossível ser dissimulado: tudo está registrado. A responsabilidade sobre o que é dito, no ar ou não, é cada vez maior. Se os sites da WWW são as cidades onde residem os dados, as redes sociais são as estradas que fazem a informação circular e se difundir.

Preconceituoso ao extremo, não serve para ser jornalista. Amoral, comentário exdrúxulo, bizarro. Mostrou a sua verdadeira face. Que nunca mais os garis se movam contra o seu lixo, que m…

  • É, agora todo o Brasil vai poder usar um dos bordões mais famosos da TV brasileira!! (o feitiçi virou contro o feiticeiro!!!)
    ISSO É UMA VEEEEGOOOONHAA

  • Verdadeiramente um absurdo o que foi dito pelo âncora, apresentador Bóris Casoy. Não adianta ele se desculpar com os garis, mesmo publicamente, porque é realmente o que ele pensa da classe, na verdade é o que ele pensa de TODOS OS QUE ELE CONSIDERA excluídos, pobres, miseráveis e que não estão no seu “nível”. Na verdade ele não tem nível nenhum. Solta pum; flatos quando apresenta o jornal e isso já foi até gravado; em seus comentários é infeliz e pobre de raciocínio. Na verdade ele, prá mim, não passa de um repórter de início de carreira. Um verdadeiro CAVALO DE MAMINHA. Tem que policiar sua lingua, sua boca, seu ânus e deixar de falar e peidar asneiras na televisão. Gari é muito melhor que ele. Trabalha. Limpa a sujeira que ele faz e fala. Está dispensado Bóris Casoy e suas desculpas esfarrapadas não amenizam a situação vexatória que você colocou a Rede Bandeirantes. Mula sem cabeça.

  • Alguns dos anunciantes desse porcaria de jornal são: HSBC ,CASAS BAHIA, PETROBRAS etc.Mandem e-mail para esses anunciantes senão não vai acontecer nada com esse canalha.

  • Eu, como jornalista, tenho vergonha do que o senhor Bóris Casoy comentou! Mostrou seu lado preconceituoso, desumano…
    Caiu a máscara! Era referência de pauta para muitos profissionais, hoje, não serve de exemplo para os jovens que estão saindo da Faculdade de Comunicação.
    E fica um aviso ao FENAJ! É isso que vocês defendem? Diploma de jornalismo para representar a falta de ética?

  • Claro , é uma declaracao digna de um nazista. mas gostaria de saber quem de voces gostaria, ou tem um sonho de que seu filho(s) se formem na universidade da vida e consigam tirar o “diploma” de agente ambiental da comlurb, ou vega sopave. Claro , ninguem!!! O que é engraçado, mas as profissoes no Brasil nao são sonhos das pessoas , mas a busca desenfreada pela sobrevivencia. A “merda” é tão grande nesta seborreia de patria que até para vaga de gari juntam-se milhares em fila. me lembro a 3 ou 4 anos atras a o sambóbromo do rio lotado. O preconceito existe é claro, mas quando o vestibular para medicina for de menos de 10 candidatos por vaga, acredito que estaremos encarando de fato um país de oportunidades.

  • desumano. asqueroso, nojento. mas nada surpreendente, vindo de quem veio.

    o pior é que muita gente que ouviu isso, e que foi treinada durante anos a acreditar nas besteiras que esse senhor cospe na tv diariamente, é induzida a pensar da mesma forma preconceituosa, a justificar e reforçar, com essa opiniao “abalizada”, o próprio preconceito e a entender como legítima a desigualdade social e a desvalorizacao do trabalho.

    lamentável. triste. eu só queria que as consequencias pra esse senhor fossem equivalentes ao grau de desumanidade e desrespeito que ele demonstrou pelos trabalhadores da limpeza pública, responsáveis pelo bem-estar de todos.

  • Usando o mesmo jargão do distinto jornalista: “Isso é uma vergonha”. Acredito que pode-se chamar de gafe o que ocorreu. Para mim é uma expressao de falta de caráter e ética. Uma forma extrema de preconceito contra uma categoria profissional e importante como os garis.

  • Esse Boris Casoy mostrou o lixo de pessoa que é!
    Muitos confiaram nessa pessoa que não passa de um preconceituoso e um nojento em pessoa.
    A Associção dos Garis tem que processa-lo mesmo e esse jornalista deveria ser demitido após o término do Tele Jornal!

  • A melhor definição de ÉTICA que eu já vi: “Ser ÉTICO é fazer o correto sem que os outros estejam vendo”.

  • O mais interesdsante é que agrosseria era uma crítica à própria casa em que trabalha. Ficou claro, pra mim, que a “merda” a que ele se referia era a matéria que “só” achou dois garis para dar a mensagemde ano-novo. O jornalista achava que aquilo não eradigno, pois as pessoas ali, na bvisão dele, não valiam nada.
    Mas muito pior foi o pedido de desculpas. O jornalista não reconheceu que o que disse foi ofensivo ou preconceituoso, limitou-se a dizer queo comentário foi “infeliz” e que “ofendeu os garis”. Claro que ofendeu. Da forma como ele falou parece que a frase permitia ser mal-interpretada, mas o fato é que ele foi preconceituoso e arrogante.

  • A importância do tema se revela frente as questões, às vezes latente, às vezes publicamente(no caso), do desrespeito do princípio da dignidade da pessoa humana, na sua faceta da igualdade de “pessoas”, quanto ao crime que esse “bostético” cometeu. O direito, constitucionalmente previsto da dignidade da pessoa humana é fundamental para exercício pleno da cidadania.A dignidade humana consiste não apenas na garantia negativa de que a pessoa não será alvo de ofensas ou humilhações, mas também agrega a afirmação positiva do pleno desenvolvimento da personalidade de cada indivíduo.Lamentavelmente não vai acontecer nada,mas deveria,pois,o que esse mendaz racista disse, além de imoral é crime e deve ser punido.

  • Ilmo. Sr. Boris Casoy,
    Espero que este comentário chegue até Vossa Senhoria. Lastimo profundamente por vossa alienação, principalmente porque, pessoas que deveriam ser formadoras de opinião (como Vossa Senhoria assim se julga), são muito mais ignorantes do que o povo trabalhador, que limpa vossa sujeira e acredita que tem informação de qualidade transmitida para dentro de seu lar. Na verdade, do alto de suas vassouras, o último escalão do trabalho padece de extrema boa-fé e de contentamento contagiante por ainda lhe restar a esperança de que o futuro será melhor, diuturnamente iludido por denúncias de “vergonhas” e por uma falsa moralidade, apregoada por Vossa Senhoria. Quem tem telhado de vidro não deveria atirar pedras, Sr. Casoy. Não se esqueça de que podemos e vivemos muito, muitíssimo bem (de verdade e na mais cruel realidade!!!), sem vossos cacoetes; e, melhor ainda, sem vossas informações deturpadas e manipuladas segundo os ditames de vossa mente doentia e fascista. Mas sem os garis, que são encarregados de limpar os dejetos (físicos, ao menos) deixados por vossa matéria tão putrefata quanto de qualquer ser, ninguém sobrevive com alguma dignidade, se é que Vossa Senhoria conhece o significado de tal palavra (o Sr. Aurélio Buarque de Hollanda pode lhe ajudar a descobri-lo). Quiçá pudessem os garis também varrer para o mais distante infinito (pois as lixeiras ainda são muito próximas, em que pese a altitude de suas vassouras e o baixíssimo escalão a que são injustamente relegados) os dejetos que alguns – poucos, felizmente!!! – insistem em chamar de jornalismo. Insofismavelmente, isso, sim, é uma vergonha. E das grandes.

  • Eu ainda não tinha visto o vídeo e fiquei indignado com o vazamento. Boris Casoy me remeteu a “Os Donos do Poder”, DE Raimundo Faoro, “Casagrande e Senzala”, de Gilberto Freire, “Pobreza e Cidadania: dilemas do Brasil contemporâneo”, de Vera da Silva Telles, entre outros livros. Traz à tona e desvela o preconceito dos tempos do Brasil colônia, que ainda é o pensamento dominante nas classes endinheiradas.
    Bem, deem uma olhadela lá no http://ricardogomezz.posterous.com

  • Comneti lá no meu blog os aspectos envolvidos na fala que vazou. Remete-nos a leitura de ‘Casagrande e Senzala’, de Gilberto Freire, “Os Donos do poder: a formação do patronato brasileiro”, de Raimundo Faoro, “Pobreza e cidadania: dilemas do Brasil contemporâneo”, de Vera da Silva Telles. Comentei hoje sobre o assunto no meu blog.

  • O que este Senhor falou, nada mais é do que aquilo que ele pensa. Graças a Deus que os microfones estavam abertos, pois o lixo escondido embaixo dos tapetes televisivos e radiofônicos veio à tona. E a Band o que diz? E o Sr. Ricardo Boecha (tão crítico) como se posiciona? Algo tem de acontecer, no mínimo a demissão.
    Sem falar que seu comentário além de sujo para com os garis, também ofendeu a equipe de jornalismo que preparou/editou a mensagem. Ele, se achando o máximo, com tal comentário desmereceu o trabalho dos colegas.
    ISTO É UMA VERGONHA.

  • Todo meu repúdio à atitude do jornalista, este infeliz.
    Hipocrisia dá nojo, e deve ser combatida.
    Existem leis para combater preconceito e discriminação, e devem ser usadas para lamentáveis casos como este…
    Boris Casoy punido criminalmente e a BAND boicotada se não se posicionar a respeito.
    Se eu fosse gari nem passava mais na rua dele, que fique com seu “lixo” servindo de âncora!

  • Os garis apresentados no video, o sindicato, e todos que se sentiram ofendidos, devem procurar seus direitos perante a lei, contra a difamação!
    Estou extremamente indignada e revoltada com essa situação!

  • Esse comentário é apenas um esboço dessa midia demagoga, hipócrita e retrógrada de nosso país…E assim ouvimos diariamente noticiários sobre “os bairros nobres” e “as periferias”…classificações implicitas desse apartheid social em que vivemos.

  • Os garis têm uma função primordial de retirar o lixo mantendo o meio ambiente limpo das cidades. O Boris Casoy é preconceituoso, elitista e é o verdadeiro LIXO da sociedade brasileira!

  • Élamentável. Mas no Brasil isto acontece. porque quem tem poder…pode tudo até mentir para dizer que não disse e obter apoio de outros jornalistas sob o embasamento de que foi uma “GAFE”. Sob o espectro constitucional a discriminação ficou evidenciada, pois até então tratatva-se de um preconceito não declarado.Sob o espectro da lei infraconstitucional cabe até difamação. No entanto, isto é uma face do nosso Brasil.

  • CASOY – UM EXEMPLO DE COMO A HIPOCRISIA PREVALECE, ENTRE OS DITOS FAMOSOS, QUE VÊM A VIDA COMO SE FOSSE UM PALCO.
    A função de gari não é fácil e nem tem o reconhecimento que deveria; é um trabalho honesto e solidário, e as pessoas que a exercem tem que ter um bom preparo físico e psicológico. Pois é um serviço penoso, em que o executante tem que ficar em pé o tempo todo, fazendo um serviço braçal; exposta ao frio ou ao calor, à poeira ou garoa. As vexes em lugares perigosos em que podem ser atropelado; além de que, está sujeito a ser alvo de preconceito explícito de idiotas de toda categoria que se comprazem em humilhar.
    A função de gari é uma das mais essenciais e nobres (no bom sentido)* da sociedade e merece todo o respeito. Porque além de imprescindível, quem está nesta profissão, deixa claro que é uma pessoa corajosa, simples e abnegadas; e que não foi contaminadas pela indecências e hipocrisia que infesta grande parte da sociedade que vive no mundo fictício da fantasia e da ostentação.
    Se a jutiça no Brasil não fosse “do faz de conta” ela condenaria o jornalista Boris Casoy a prestar serviço de gari por um tempo, para que ele aprendesse a respeitar o direito das pessoas honradas que merecem respeito. Mas como a justiça elitista brasileira só funciona contra os mais humildes… Cabe às pessoas, demonstrar o seu repúdio a comportamentos deploráveis como este. O respeito é essencial no convívio da sociedade, e é uma das características que diferencia o ser humano do animal irracional.
    *Faço esta observação porque a palavra nobre, assim como a palavra Excelência, estão quase virando palavrão; pois tem muito corrupto safado, usando-as quando se dirige a outro de índole semelhante.

  • O que esse velho ridículo está fazendo na tv além de ocupar o lugar de um profissional mais competente? Se não fosse pelos lixeiros o que ele faria com restos podres do seu dia a dia? O escalão desse cara chega ser abaixo do zero. Só porque tem estudo e carreira na tv se acha melhor que os outros? Pois ele caga, mija, peida e quando morrer vai feder e apodrecer como qualquer um. A verdade é só uma, puros de coração são a maioria das pessoas humildes, essas sim estão sempre dispostos a estender a mão e abrir o coração para o próximo. Se fosse parente sua teria vergonha do tipo de ser humano que vc é. Por de trás das cameras as máscaras são retiradas, aí é que se vê como as pessoas realmente são.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *