Virtudes e vantagens de escrever e ler

Lia uma crônica de Machado de Assis em que se refere aos cronistas como aqueles que se ocupam das histórias miúdas.

Voltei para a casa de campo depois de mais de duas semanas. Aos poucos começam a voltar sensações que reúnem outras sensações, sentimentos, lembranças.

Presenças de pessoas que aqui estiveram. Familiares e amigxs. As lembranças me acompanham.

Tantas vezes tenho dito tantas coisas sobre ler e escrever, mas o tema é inesgotável.

Não me importa me repetir. Tudo se repete. Repete o vento o teu nome que me alcança e anda por dentro de mim. Repete-se o sol que anda pelo céu entre nuvens repetidas talvez ou não, pouco importa.

Leio o que escritoras e escritores dizem sobre o escrever(1) . Refletem a vida e a sua complexidade. Se desfaz uma sensação de estranhamento e alheamento.

Raivas e medos encontro frequentemente. O passado invade o presente. Olho para o que aqui está e vejo que aqui e agora tem muito mais amor, amizade, alegria, prazer, paz, criatividade, unidade. Talvez tenha sido assim também em outros tempos. Tudo se costura e se reúne.

Reluto em deixar a página mas ela prossegue debaixo dos meus pés.

(1) Penso especialmente em Cecília Meireles (Escolha o seu sonho), Ray Bradbury (Zen em el arte de escribir), Cora Coralina (Histórias da Casa Velha da Ponte), Vincent Van Gogh (Cartas a Théo), Jorge Luis Borges (Obras completas, Arte poética), Julio Cortázar (Diario de Andrés Fava).