Uma homenagem a [email protected] os que não envelhecem

“Porque se chamavam homens / Também se chamavam sonhos / E sonhos não envelhecem”

Uma justa homenagem a todos os homens e todas as mulheres que, de Seattle ao Iêmen, de Madri a São Paulo, dos rios da Amazônia às favelas e “ex-favelas” do Rio de Janeiro, continuam lutando contra os interesses do lucro acima da vida.

A resistência não-violenta mostra sua força.

E a mídia ignora, registra alguns segundos e retoma seu festival de bizarrices e inutilidades cotidianas.