Uma ciência includente

Dias atrás, assisti a uma defesa de dissertação de mestrado, no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFPB. A experiência foi muito mais do que um ato meramente acadêmico. Foi um ato de recuperação da pessoa humana. As coisas não acontecem por acaso.

Encontrava-me no meio do público, e pude ir fazendo, à medida que Mariana Albernaz ia desenvolvendo a sua dissertação sobre a Terapia Comunitária Integrativa no contexto de um CAPS de João Pessoa, o meu caminho de volta. Pude ir vendo a minha própria trajetória da exclusão para a inclusão, do ontem para o agora.

Da situação de alguém que se sentia fora da sociedade e do mundo, um estranho, para uma pessoa que hoje sabe que faz parte deste tempo e deste contexto. Como conclusão desta defesa, pude notar em mim o ressurgimento do eu posso. Eu posso ser. Eu posso ser quem eu sou. Tenho meditado muito nisto, e cada vez que o faço, vem uma sensação ímpar no meu interior.

A Terapia Comunitária Integrativa é verdadeiramente uma ferramenta que permite com que a pessoa volte a ser quem ela é. Mas a ferramenta apenas oferece a possibilidade. A pessoa é quem decide se vai fazer o seu caminho de volta ou não. Uma das coisas que mais me chamou a atenção na defesa da dissertação de Mariana Albernaz, foi o uso de uma linguagem própria, coisa não muito frequente na academia.

A pessoa que se expressa desde ela mesma, tem um poder transformador. Ela está dando testemunho do seu habitar o seu próprio ser. Ao invés de uma fala técnica, alienada e alienante, uma fala includente, que vem desde uma experiência de recuperação da própria identidade. A universidade pode fazer muito para diluir as fronteiras entre o saber acadêmico e outros saberes.

Mas para isto é necessário que os universitários e as universitárias se abram para a vida como uma realidade além do que pode ser conceitualizado. A literatura, a capacidade de ver a vida como ela é, a poesia, a arte, nos abrem para esta experiência de incorporação da totalidade da vida na nossa vida.

Foto: Vincent Van Gogh (autorretrato)