Uma casa enorme para uma pessoa só

Una casa enorme para una sola persona. Libros por todos lados, cuartos vacíos. Macetas aquí y allí, con plantas que extienden sus hojas al cielo, algunas con flores, balanceándose al viento. Hoy venías de la playa. Flores azules a los lados del camino, gente caminando para acá y para allá, y tu también caminas, primero para allá, y luego para acá, o al contrario, no sé bien, me confundo cuando trato de explicar.

Un correo de tu hijo en San Luis contándote de una niñita que le sonríe, fascinada, fascinando, fascinándolo. ¿Hay cosa más linda que el sorriso de um bebé?

Outro dia, enquanto Maria esperava no carro na porta da farmácia, uma bebezinha sorria para mim, empurrando com o pé, enquanto a mãe tagarelava com a vendedora, como as mães e as vendedoras, as mulheres em geral, costumam fazer. Agora os pássaros cantam, o sol brilha no horizonte, passa um carro. Aonde irá? Daonde viria? E eu sei lá?

E eu é que sei? Não é isso, né, ta certo, né, não é verdade?

O que queria te dizer, enquanto o vizinho ruidoso se prepara para começar a batucada metálica no seu pátio de mecânico em área residencial, é que…..passam e passam carros, tudo passa, tu passas, eu passo, todos passamos, não deixamos e passar.

Hoje é 28 de julho de 2009 e que quero te agradecer que estejas aí do outro lado da tela, do outro lado deste aquário infinito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *