Tardes literárias

Muitas vezes, de tarde, ia para a sala com um livro na mão, e deitava no sofá laranja, contra a parede com o mural do campo florido. Ia com o livro na mão e ecostava-se no sofá laranja, abrindo na página que tinha acabado na tarde anterior. Então, via a página amarelada que seguia na seqüência, e lia. Lia o romance na página subseqüente à que deixara na tarde do dia que passara.

Deixava-se levar pelo enredo, as falas das personagens, a história que ia-lhe na mente. Nela, ou a partir dela, encontrava outras histórias desse mesmo ou de outros autores ou autoras. Então, ia para Cronin a partir de Helena, de Machado de Assis. Ou de Helena, para A mão e a luva, também de Machado de Assis.

E de uma para outra, e destas para outras, desdobrava-se na mente do nosso amigo leitor, o mundo da literatura que os autores e autoras criam para nosso beneficio e deleite. Assim, passava horas deliciosas, horas em que o tempo parecia ter-se detido, horas em que nenhum problema o afligia, horas em que se deixava levar, simplesmente, pelas páginas dos livros pelo mundo da literatura e das histórias.