Tailândia: em dois meses, 37 pessoas morreram e cerca de 1.400 ficaram feridas

Do portal R7: “Pelo menos três pessoas morreram e cerca de dez ficaram feridas em confrontos neste sábado, 15, entre manifestantes e soldados tailandeses em vários pontos da zona central de Bangcoc, indicaram testemunhas e fontes médicas. As mortes aconteceram durante tiroteio entre “camisas vermelhas” armados com pistolas e os soldados do Exército no acesso norte da zona ocupada pelos ativistas da frente antigovernamental. Em outro extremo da zona ocupada, perto do parque de Lumpini (muito visitado por turistas), vários manifestantes ficaram feridos quando os soldados abriram fogo depois que foram atacados com duas granadas, cujos estilhaços atingiram pelo menos um militar.” (leia aqui e aqui)

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, fez um apelo nesta sexta-feira para que manifestantes e autoridades da Tailândia evitem novos episódios de violência depois de confrontos entre oposicionistas e forças de segurança terem deixado ao menos dez mortos nos últimos dias na capital Bangcoc. Por meio de um comunicado, Ban pediu por uma “retomada urgente no diálogo para acalmar a situação e para que todas as questões sejam solucionadas de maneira pacífica”. Dezenas de pessoas também ficaram feridas nos protestos entre oposicionistas e militares tailandeses. “O secretário-geral acompanha com preocupação o crescimento das tensões e da violência na Tailândia. Ele está entristecido com notícias de numerosas mortes de civis, incluindo jornalistas, nos últimos confrontos”, diz um comunicado divulgado pelo porta-voz de Ban. (nota da BBC aqui)

Do G1: “O primiero-minsitro tailandês, Abhisit Vejjajiva, disse neste sábado (15) que as forças de seguranças não irão recuar, mas sim pressionar até o fim do conflito com os manifestantes antigoverno conhecidos como ‘camisas vermelhas’. O confronto nas ruas da capital, Bangcoc, já dura três dias e matou ao todo 22 pessoas.”

Veja imagens dos conflitos em Bangcoc (G1) aqui.

Outras no Google News aqui.