Sobre biografia monumental de Antonin Artaud

Parei tudo que estava a fazer em termos “acadêmicos” sem futuro (leituras para aulas e para a “alma”) para me dedicar/mergulhar de cabeça e alma integralmente durante estes 10 dias numa biografia monumental em tudo de Antonin Artaud. Trata-se de Eis Antonin Artaud, de Florence de Mèredieu. Editora Perspectiva, 2011. Fazia tempo que não tinhamos nada editorialmente a altura deste lançamento em termos de biografia no Brasil. Escrita originalmente em 2006, depois de uma vasta e demorada pesquisa veio a luz mais de 970 páginas!!! sobre a vida desta figura extra-ordinária em todos os sentidos. Merece tempo e dedicação integral uma leitura desta monta.

Mas o que mais merece tempo é uma boa meditação sobre a vida e as palavras de Artaud. Logo no prefácio à edição brasileira, lemos: “a biógrafa mira uma existencia dotada de extraordinária vitalidade, ainda que extremamente sofrida, de al guém que exerceu o oficio de sua fala nos dois lados de mundos espirituais antagônicos, o da loucura e o da sanidade, e nos dois lados de mundos externos, o da marginalidade asilar e o da mundanidade social”. Aqui esta algumas razões para a leitura da biografia de Artaud e ainda mais para uma boa reflexão sobre suas palavras e vida; sobre seu teatro da crueldade e sua loucura… e num mundo cada vez mais conservador, dominado por uma lógica infame do Capital e que tem cotidianamente destruido sonhos, utopias e nos transformado em quase “impotentes” diante desta realidade avassaladora. Parece que Artaud nos ensina a viver intensamente a vida que temos… mas antes a loucura do que a covardia… antes a loucura do que mediocridade… antes a loucura do que o bom-mocismo boboca e sem sentido… Antes a loucura do que esta gororoba de “ensino superior” que temos… e como dizia Zé Ramalho e que serve perfeito na boca de Artaud: “Eu prefiro um galope soberano à lou cura do mundo me entregar. Já estou na leitura e na pilha!!!