A Romaria da Vida

É um local lindo, entre as montanhas e o mar. Tudo muito verde a natureza parece ainda relativamente protegida, embora os morros estejam cobertos de bananais, a maior produção dessa região. As romarias da Terra se fazem pelas diversas regiões do Brasil, mas aqui gostei de descobrir duas coisas: a primeira é que envolveram a Juventude.

Desde domingo, no lugar da Romaria, armou-se um acampamento de 450 jovens, vindos de todo o estado do RS e também de Santa Catarina. E o acampamento é uma festa com muitos shows, debates, rodas de conversa e celebrações feitas pelos/pelas jovens. Isso dá à romaria uma dimensão lúdica, festiva que antes não tinha. Outra coisa é o protagonismo das mulheres.   O tema da romaria é “Mulheres, Terra, Resistência”. As jovens têm mostrado como isso pode dar à caminhada um outro tom. Aqui toda a liderança parece ser feminina.

Vim para cá depois de participar durante dois dias do Encontro da Nova Consciência em Campina Grande. Mesmo lá em um encontro inter-religioso e de espiritualidade holística, o tema era “Globalização em desencanto”, tema que, de certa forma, expressa o momento duro que vivemos e com todas as pessoas de boa vontade parecem atarantadas com os pacotes de maldade que o governo e o Congresso Nacional abrem a cada dia para amargurar a vida do povo. Pela primeira vez nesse encontro de Campina Grande (é a 27a edição do encontro) ouvi as pessoas que dirigiam falando claramente em Política, chamando o golpe de golpe e buscando a ligação entre espiritualidade e ação política transformadora.

Ao chegar aqui, me deparei com um clima que respira esperança e força popular. Talvez tenha influenciado o evento do Carnaval no Rio com uma escola de samba mostrando a figura do Temer como vampiro e falando da realidade brasileira como de uma sociedade escravagista até hoje. Mais ainda a festa da juventude no acampamento vibrando com a comunidade improvisada que aqui se formou. Minha impressão é de que estamos retomando uma mística profunda na relação com a Terra e a natureza. Estamos nos colocando no mesmo espírito da caminhada do povo de Deus no deserto e unindo as forças dos pequenos no campo e na cidade. É uma responsabilidade imensa chegar aqui e ter de falar para esses irmãos e irmãs uma palavra de ânimo e de fortalecimento. Ontem à noite, falei durante a celebração dos mártires. Era aniversário do martírio da irmã Dorothy Stang que foi minha aluna de Bíblia em dois cursos do CEBI e CPT. E eu ajudei o pessoal jovem a aprofundar que martírio não é apenas uma forma de morrer, mas é principalmente uma forma de viver e esse viver é consagrar-se à tarefa de transformar esse mundo, sem nunca se cansar e começando por nós mesmos. Hoje vou tomar como Tema o apelo bíblico para voltarmos ao primeiro amor e quero lembrar que esse primeiro amor para a espiritualidade bíblica é a caminhada (a romaria) da libertação. Estamos nessa….

 
 

Comentários

comentários