Repudiam ataque a comunidade do Horto, no Rio de Janeiro

moradiaOntem (6), a Comunidade do Horto sofreu mais um ataque! Pela manhã houve a reintegração de posse do Clube Caxinguelê e ao menos 14 famílias foram removidas. No confronto, idosos, mulheres e crianças sofreram com o lançamento de bombas e gás lacrimogêneo por parte da polícia.

As famílias que residem no Horto Florestal têm história de 205 anos e são fruto de uma geração que construiu o Jardim Botânico. E mais ainda, que construiu um bairro, o Horto Florestal, que é capaz de educar o Rio de Janeiro de como conviver em harmonia com a natureza.

Os falsos ambientalistas e a elite do bairro do Jardim Botânico acusam esses moradores de destruir o meio ambiente, mas não é o que se vê quando se visita as terras do Horto. O que vemos são idosos, jovens e adultos comprometidos com o meio ambiente, que inclusive promovem atividades de reflorestamento, sem nenhum apoio do governo.

Mas todos sabemos que a reintegração de posse do Horto Florestal nada tem a ver com a preservação do meio ambiente, visto que as mansões da elite carioca ainda permanecem em meio à Mata Atlântica.

Por trás dessa remoção temos uma política de governo, que atende aos empresários e não à população e que promove a especulação imobiliária. As terras do Horto localizam-se numa importante região da zona sul, a mais cara do RJ, e isso prejudica os investimentos dos empresários, pois ter pobres morando em bairro nobre não dá lucro. Além disso, os governantes precisam pagar suas dívidas com quem bancou suas campanhas, não é à toa, que o governo Dilma desenvolve o programa Minha Casa, Minha Vida, pois é assim que faz lucrar as grandes empreiteiras. Mas para isso é preciso remover a população de suas moradias.

Desde que o Rio de Janeiro foi escolhido como sede da Copa e das Olimpíadas, os governos federal, estadual e municipal colocaram em prática uma política de criminalização da pobreza. E já são muitos os desabrigados, feridos e mortos após as remoções forçadas com o auxílio da PM e todos os aparatos de segurança do Estado. Muitas comunidades vêm perdendo sua identidade social e/ou são extintas. A Vila Autódromo, Indiana, Favela do Metro e Favelinha da TELERJ também foram alvos dessa política dos governos.

Nós, do Movimento Nacional Luta Popular, filiado à CSP Conlutas, repudiamos essa ação dos governos. Remover trabalhador de sua casa não é política habitacional, é dar dinheiro para os empresários e forjar índices de habitação para o governo. É preciso unificar os injustiçados das comunidades que sofrem com as remoções e também com a violência policial das UPPs. Por isso convocamos todos para construir o Dia Nacional Contra as Injustiças da Copa, no dia 15 de Maio, às 18h. Vamos promover nas ruas do país um show de manifestações e mandar o recado: NA COPA VAI TER LUTA!

– Todo apoio à Comunidade do Horto Florestal! Basta de remoções no Horto e no Brasil! Pela Regularização Fundiária no Horto, Já!

– Por uma política habitacional a serviço dos trabalhadores, com construção de moradias populares para desabrigados e moradores em área de risco!

Movimento Nacional Luta Popular – RJ