Representante da Marcha Mundial pela paz propõe Semana de Não-Violência

Alexandre Sammogini representa a Marcha Mundial pela Paz e Não Violência no Brasil. Foto: Juvenal Pereira.

Alexandre Sammogini representa a Marcha Mundial pela Paz e Não Violência no Brasil. Foto: Juvenal Pereira.

Escolas de todo o País realizariam ações de conscientização

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo recebeu nesta quinta-feira (05/11) Alexandre Samogini, representante no Brasil da Marcha Mundial pela Paz e Não Violência. Os ativistas pela paz passarão por sete cidades brasileiras e chegarão em São Paulo no dia 20 de dezembro.

A Marcha tem a intenção de denunciar a situação dos conflitos mundiais, que pode levar à guerra com armamentos nucleares. “A Marcha pede a redução de todo tipo de arma”, explica Sammogini. Os ativistas saíram da Nova Zelândia no dia 2 de outubro e percorrerão por três meses 90 países nos cinco continentes. No Brasil, as cidades de Recife (PE), Salvador (BA), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo, Curitiba (PR), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS) devem receber o movimento.

“A intenção da Marcha é ajudar os jovens a pensarem nisso. Hoje, já na escola as crianças começam a se maltratar, e está errado; eles têm de aprender a conviver com as diferenças”, enfatiza o vereador Gabriel Chalita (PSB), presidente da Comissão.

Sammogini ainda propôs um debate para criar “A Semana da Não Violência”, em que escolas de todo o País realizariam ações de conscientização. “O objetivo é criar a consciência da paz e dos direitos humanos entre as pessoas”, explica.

A Marcha é uma iniciativa do Mundo sem Guerras, uma organização internacional impulsionada pelo Movimento Humanista, que trabalha desde 1969 no campo do pacifismo e da não-violência. Participaram do encontro os vereadores Alfredinho (PT), João Antonio e Gabriel Chalita.

(Com informações da Câmara)