Reflexóes em torno da greve docente

Não está claro para mim, se a atual greve docente irá prosseguir ou não. O fato de que o governo se manteve em uma atitude totalmente fechada, insensível e antidemocrática, sem dialogar, sem negociar, faz pensar que talvez o movimento grevista possa ser obrigado a repensar os seus rumos.

Isto não significa, no entanto, que a circunstância não seja propícia para repensarmos, também, outras coisas. A greve não se esgota numa reclamação salarial ou da carreira docente. Isto são objetivos importantes, mas houve mais, muito mais, que veio a tona nesta movimentação toda. O que a educação superior significa para o Brasil?

Quantos de nós, quantas de nós, docentes, não fomos levados, nestes dias, a refletirmos em profundidade, sobre este mundo que é a universidade pública? Quanto da nossa vida transcorreu nesses espaços? Lutas e conflitos. Vitórias e derrotas. Sonhos cumpridos e abortados. Horizontes em construção. Batalhas para abrir o ghetto universitário, abrindo espaços para a integração comunitária, para a superação do egocentrismo intelectualista.

Não tenho dúvida de que cada professor e professora, poderá ter visto, como em uma retrospectiva, muito do que viveu dentro do ambiente universitário. No meu caso, vejo os rostos dos que foram meus colegas das lutas estudantis em Mendoza, Argentina: os trabalhos para abrir a universidade às causas sociais, à transformação da humanidade em direção a mais amor, mais fraternidade, mais justiça. A vinda ao Brasil. Um mundo novo se abrindo. Novas amizades, tudo novo.

Novos costumes. O tempo passou. Graduação, posgraduação. A iniciação à docência na Escola de Sociologia e Politica de São Paulo. Os alunos e alunas dessas jornadas iniciais. Os centros de pesquisa, as pesquisas. As publicações. Os congressos. O IUPERJ, a USP, a UFPB, o CEBRAP. A Universidad Nacional de Cuyo, à qual voltei, muitos anos depois, fechando um ciclo.

Cada um, cada uma de nós, tem historias para contar. A educação é isto, também, histórias para contar. Trajetos pessoais e coletivos.

Share

Comentários

comentários