Ratzinger: um papa durão

Por Isaac Bigio

LONDRES, 22/4/2005. O Vaticano escolheu seu pontífice fazendo sábios cálculos políticos. O primeiro papa não italiano eleito nos últimos cinco séculos foi o polonês Wotjyla (1978-2005), que contribuiu com a derrubada do comunismo no Leste Europeu e lutou contra a ‘esquerda cristã’. O segundo é um alemão de linha dura, cuja missão é evitar que o número de católicos na Europa siga retrocedendo. O nome Bento (o santo da Europa) foi escolhido devido ao seu objetivo de reevangilizar o continente. O desejo é de que só haja estados cristãos na União Européia.

Bento XVI não será dos mais simpáticos nem mesmo viajará muito ao redor do mundo. Seu dever é o de ser o guardião dos dogmas da igreja e de reevangelizar a Europa. Em um mundo no qual cresce o fundamentalismo islâmico e o ‘evangélico-bushista’, o novo papa deseja desenvolver um fundamentalismo católico. Tais atitudes evitarão uma divisão interna da igreja? A base militante da entidade será ampliada? Seu curto reinado consolidará uma igreja ultraconservadora ou produzirá uma manifestação violenta por um papa menos conservador?

Share

Comentários

comentários

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Sem categoria. Tags: .