Quem matou o mariscal? Cerro Corá, 1º de março de 1870: Entre a história e o mito

Em 1° de março de 1870, Solano López falecia em Cerro Corá, quando do último combate da guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai. Então, suas tropas mal superavam os quatrocentos combatentes, sobretudo velhos, adolescentes e crianças, famintos e mal armados. Ferido mortalmente por golpes de lança e espada, Solano López internou-se nas matas próximas, morrendo nas margens do arroio Aquidabán-nigüí.

A conclusão da guerra, com a morte suspeita do presidente e mariscal dos exércitos paraguaios, causou desconforto geral, mesmo no campo aliancista, registrado pelos relatos contraditórios apresentados pelo general sul-rio-grandense Correia da Câmara, presente quando do falecimento do mariscal-presidente. Em sentido contrário, ensejou a construção de legendas patrióticas paraguaias sobre aqueles derradeiros sucessos. O artigo abordará os fatos e discutirá o sentido político-ideológico de suas versões.

Leia clicando aqui.

Mário Maestri, 69, é doutor em Ciências Históricas pela UCL, Bélgica, e professor do PPGH da UPF. Tem pesquisado a escravidão colonial brasileira e, atualmente, a história da grande guerra da bacia do rio da Prata [1864-1870]. E-mail: [email protected]

Seções: Memória & Consciência.