Primeira medida de Bolsonaro na saúde: 8 mil médicos a menos

Imagem: Karina Zambrana/ASCOM

Imagem: Karina Zambrana/ASCOM

Primeira medida de Bolsonaro na saúde: 8 mil médicos a menos.

Repito: 8 mil médicos a menos. São 24 milhões de pessoas sem médicos.

São postos que não serão ocupados, visto que os cubanos trabalhavam em postos que já haviam sido oferecidos aos brasileiros. NENHUM brasileiro havia aceito a vaga onde um estrangeiro (cubano ou não) está.

Assim funciona o Mais Médicos: os estrangeiros ocupam as vagas não aceitas por brasileiros. Mais de 8 mil médicos. Vão deixar postos de trabalho que ocuparam depois de anos de ausência de profissionais.

O governo Bolsonaro vai exigir o Revalida (exame que reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem atuar no Brasil) também dos demais profissionais do Mais Médicos? Vai pedir de todas as outras nacionalidades? Vai meter a colher na política tributária também de outros países, como Espanha, e exigir que o contrato seja conforme o Brasil determina?

Mais uma vez: mais de 8 mil médicos dispensados. Sem planejamento. Por Twitter. Por ameaça.

Parabéns aos envolvidos.