Por que o PV, senadora?

Perguntar não ofende, dizem. Se a pessoa questionada for Marina Silva, firme e coerente, devemos tomar cuidados ainda maiores.

Mas, por que a senadora se desfiliou do PT e pensa apenas no PV como alternativa para sua militância? Por que não cogitou o PSOL, o PSTU, o PCB?

Claro que essas organizações acumulam uma dívida enorme em relação à luta ambiental. Mas, no caso do PV, não é dívida. É calote, mesmo.

O PV tem uma ficha sem maiores registros em favor da causa ambiental.  Por outro lado, vive de braços dados com partidos da direita nacional. Apoiou o governo FHC, apóia Kassab em São Paulo e Alfredo Sirkis foi secretário do meio-ambiente de César Maia. Sua única prefeitura de capital é produto de uma coligação com o DEM, em Natal. Um de suas lideranças é Zequinha Sarney, que talvez não tenha culpa de ter nascido na família, mas tampouco acumula realizações e conquistas na seara ambiental.

Como sabemos, nem tucanos nem o antigo PFL se notabilizam por preocupações ambientais. Com essas companhias o PV mostra que é ecológico somente na grife.

Que o PT abandonou todas as suas bandeiras históricas, sabemos todos. Mas, ao deixar o PT pelo PV, Marina Silva só estaria escolhendo um caminho muito próprio de deserção.