Pentecostes: o Espírito Santo vos ensinará tudo

(Comentário ao Evangelho Jo 14,15-16.23-26)

Pe. Alberto Maggi OSM

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos, e eu rogarei ao Pai, ele vos dará um outro Defensor, para que permaneça sempre convosco. Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é que vos disse enquanto estava convosco, mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”

Pentecostes era uma das três festas agrícolas que o povo de Israel celebrava. Era a festa dos pães ázimos da Páscoa, a festa da ceifa ou das semanas, ao término da colheita do trigo. É chamada de “Pentecostes”, palavra que em grego significa quinquagésimo (ou cinquenta), isto é, 50 dias após a festa da Páscoa e, finalmente, a festa da colheita ou das cabanas (ou tendas).
Pois bem, esta festa agrícola, em seguida, assumiu um significado religioso muito importante! Era a festa em que se comemorava e se agradecia ao Senhor pelo dom da lei no Monte Sinai através de Moisés. Então, no mesmo dia em que a comunidade judaica celebra o dom da lei, eis a forte descida do Espírito na pequena comunidade dos seguidores de Jesus.
João, o evangelista, quer anunciar, desta forma, a mudança radical que ocorreu nesta comunidade. Passou-se da Aliança de Moisés à Nova Aliança proposta por Jesus. Enquanto Moisés, o servo do Senhor, impôs uma aliança entre servos e o Senhor deles com base na obediência à Sua lei, Jesus que não é o servo do Senhor, mas o Filho de Deus, oferece e propõe uma Aliança entre Filhas/Filhos e Deus Pai, não mais baseada na obediência às Suas leis, mas na recepção e na prática de Seu amor.

Essa é a Nova Aliança, e esse é o significado de “Pentecostes”. O Evangelho que a liturgia nos apresenta para este dia é o de João, capítulo 14. Há alguns versículos e comentamos os que se relacionam mais diretamente à ação do Espírito.

Jesus diz: “Se me amais…”. Pela primeira vez, Jesus nos pede para amá-lo, mas fá-lo só depois de ter feito os discípulos capazes de amar. Só depois Jesus pede para si o amor deles!
“… Guardareis os meus mandamentos”. Pode parecer estranho que Jesus fale de “mandamentos”, no plural, quando, na verdade, pouco antes Ele havia falado a seus discípulos: “Deixo-vos um mandamento”. Apenas um!

Qual é o significado disso? De verdade, há apenas um mandamento que é a aceitação do amor de Jesus e sua comunicação através do serviço, um amor fiel aos outros, mas, as diferentes manifestações externas desse único mandamento têm o valor de mandamentos. Por isso, estas manifestações externas são chamadas de “mandamentos”.

Portanto, não são preceitos externos ao ser humano que o cristão deve observar, mas são as manifestações externas da realidade interior do amor.
Pois bem, Jesus diz e garante: “Eu rogarei ao Pai, ele vos dará um outro Defensor”. Aqui é usado o termo grego “Paráclito” que fica um pouco difícil traduzir em português: significa “Defensor” ou “Quem socorre” ou também “Protetor”. Não é um nome, mas uma função do Espírito.

”Para que permaneça sempre convosco”. É importante esse destaque de Jesus. “Paráclito” (ou “Defensor”) é aquele que é chamado em socorro, mas esse socorro – é o que nos faz compreender Jesus – não surge a partir das dificuldades dos crentes ou da comunidade, mas antecede as dificuldades! A presença do Espírito não é causada por situações perigosas, mas é uma presença constante.
“Permaneça sempre convosco”. Isso dá muita serenidade ao cristão e à comunidade! De fato não se preocupam mais com nada, porque tem em si e na comunidade o Espírito do Senhor que precede as suas necessidades. E isso lhes permite ocupar-se das necessidades dos outros. Portanto, a ajuda do Espírito não nasce das dificuldades, mas as antecede.

Jesus diz que a ação desse Espírito “o Defensor, o Espírito Santo…” – onde “Santo” não significa tanto uma qualidade sublime deste Espírito, mas a Sua atividade de santificar, isto é, salvar aqueles que O acolhem da esfera da mal, das trevas e da mentira – “… que o Pai enviará em meu nome…” – o nome de Jesus significa ”o Senhor salva” – portanto, o Espirito é enviado para a salvação, isto é, para a plenitude do homem “… Ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”.

Jesus não está falando de uma nova mensagem, mas de um entendimento mais amplo dessa mesma mensagem. Na medida crescente em que o cristão (e a comunidade) receberem esse Espírito, e esse mesmo Espírito os levará a orientar a própria vida ao serviço dos outros para comunicar vida aos outros, a mensagem de Jesus estará ganhando sempre mais significado e compreensão.
A palavra de Jesus é entendida quando é vivida! Quanto maior for a resposta de amor aos outros, tanto maior será a compreensão da mensagem de Jesus.

Fonte: Site do autor

http: www.studibiblici.it

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *