Papa Francisco promove conferência no Vaticano sobre o tráfico e a exploração de seres humanos

PAPAAtendendo a um expresso desejo do Papa Francisco, a Pontifícia Academia das Ciências e a Pontifícia Academia das Ciências Sociais, juntamente com a FIAMC (Federação Mundial das Associações Médicas Católicas), organizam para os dias 2 e 3 de novembro próximo um grupo de trabalho preparatório para analisar o tráfico e a exploração de seres humanos e as formas de escravidão moderna e estabelecer um diagnóstico real da situação e propôr um plano de ação para combatê-los.

Hoje em dia – explica o chanceler da Pontifícia Academia das Ciências, Dom Marcelo Sánchez Sorondo – “as ciências naturais podem oferecer novos instrumentos a serem utilizados contra essa nova forma de escravidão, como por exemplo o registo digital para comparar o DNA das crianças desaparecidas não identificadas com o dos seus familiares que tenham denunciado o seu desaparecimento.”

O Concílio Vaticano II já afirmava que “a escravidão, a prostituição, o mercado de mulheres e de jovens, ou ainda as desumanas condições de trabalho, com as quais os trabalhadores são tratados como simples instrumentos de lucro e não como pessoas livres e responsáveis” são “vergonhosas”, “prejudicam a civilização humana, desonram aqueles que assim se comportam” e “ofendem grandemente a honra do Criador”.

O tráfico internacional de cariz sexual não se limita às zonas pobres e subdesenvolvidas, mas estende-se virtualmente a todas as regiões do mundo. É nesses países que os traficantes conseguem com maior facilidade recrutar as vítimas. As regiões da maior parte das vítimas da exploração sexual são as ex-repúblicas soviéticas, a Ásia e a América Latina.

“De facto” – diz ainda – “devemos estar gratos ao Papa Francisco por ter identificado um dos mais importantes dramas sociais do nosso tempo e por ter depositado confiança nas nossas instituições católicas pedindo-nos que organizássemos este grupo de trabalho.”

Fonte: Radio Vaticana