Papa Francisco exorta a mantermos a fé no poder da palavra de Deus

fotoCaros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje é formado por duas parábolas muito breves: a da semente que germina e cresce desde o chão e a do grão de mostarda. Por meio dessas imagens familiares ao mundo rural, Jesus indica a eficácia da Palavra de Deus e as exigências do Seu Reino, mostrando as razões de nossa esperança e de nossa ação na história.

Na primeira parábola, a atenção se põe no fato de que a semente lançada na terra brota e cresce desde o solo, quer o agricultor esteja dormindo, quer esteja acordado. Ele confia no poder interno à própria semente e na fertilidade do terreno. Na linguagem evangélica, a semente é símbolo da Palavra de Deus, cuja fecundidade é evocada nesta parábola. Assim como a humilde semente se desenvolve na terra, assim também opera a Palavra com o poder de Deus no coração de quem a escuta.

Deus confiou Sua Palavra à nossa terra, isto é, a cada um de nós, com a nossa humanidade concreta. Que nós sejamos confiantes, porque a Palavra de Deus é palavra criadora, destinada a tornar a espiga cheia grãos.

Esta Palavra, uma vez acolhida, produz certamente seus frutos, porque o próprio Deus é quem a faz germinar e amadurecer por caminhos que nem sempre podemos verificar e de um modo que não alcançamos. Tudo isto nos faz compreender que é sempre Deus, é sempre Deus quem faz crescer o Seu Reino – eis por que rezamos tanto para que “venha o vosso Reino” – é Ele quem o faz crescer, o ser humano é seu humilde colaborador, que contempla e se alegra com a ação criadora divina, e dela espera seus frutos, com paciência. A Palavra de Deus faz crescer, dá vida. E aqui, gostaria de lembra-los, mais uma vez, da importância de que tragam consigo o Evangelho, a Bíblia, ao alcance da mão, um pequeno livro do Evangelho no bolso, na bolsa, para nos alimentarmos, todos os dias, desta Palavra viva de Deus: lendo cada dia uma passagem do Evangelho, uma passagem da Bíblia. Por favor, jamais esqueçam isto. Porque esta é a força que faz germinar em nos a vida do Reino de Deus.

A segunda parábola utiliza a imagem do grãozinho de mostarda. Embora sendo a menor de todas as sementes, cresce até tornar-se maior do que todas as plantas do horto. Assim é o Reino de Deus: uma realidade humanamente pequena e aparentemente irrelevante. Para começarmos a fazer parte do Reino, precisamos ser pobres no coração: não confiar em nossas próprias capacidades, mas no poder do Amor de Deus; não agir para tornar-nos importantes aos olhos do mundo, mas preciosos aos olhos de Deus, que ama de preferência os simples e humildes. Quando assim vivemos, por meio de nós irrompe a força de Cristo que transforma o que é pequeno e modesto numa realidade que faz fermentar toda a massa do mundo e da história.

Dessas duas parábolas resulta para nós uma lição importante: o Reino de Deus pede a nossa colaboração, mas é acima de tudo iniciativa e dom do Senhor. Nossa frágil obra, aparentemente pequena, frente à complexidade dos problemas do mundo, insere-se na obra de Deus, não tem medo as dificuldades. A vitória do Senhor é certa: seu amor fará despontar e fará crescer toda semente de bem sobre a terra. Isto nos abre para a confiança e para a esperança, apesar dos dramas, das injustiças, dos sofrimentos que encontramos. A semente do bem e da paz germina e se desenvolve, porque é o amor misericordioso de Deus que a faz amadurecer.

A Virgem Santa que, como terra fecunda, acolheu a semente da divina Palavra, nos mantenha firmes nesta esperança que nunca nos decepciona.

https://www.youtube.com/watch?v=4Armce7qSSw
(Do minuto 02:13 ao minuto 08:56)
Trad.: AJFC