Papa: Enfrentar atual crise migratória implica «acolher, proteger, promover e integrar»

IRAQ-SECURITY/YAZIDIS-KILLINGS

Francisco deixa interpelações à comunidade internacional na mensagem para o próximo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

A mensagem do Papa para o próximo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, divulgada hoje pela Santa Sé, sublinha quatro verbos essenciais para responder aos desafios neste setor: “acolher, proteger, promover e integrar”.

No documento preparado para essa celebração, que vai ser assinalada a 14 de janeiro de 2018, Francisco reforça a sua preocupação pela “lamentável situação que vivem tantos migrantes e refugiados”, devido a contextos de “guerra, perseguição, pobreza e de catástrofes naturais”.

Para o Papa argentino, este contexto “é sem dúvida um sinal dos tempos” que deve também desafiar a Igreja Católica.

Recorde-se que no final de 2016, Francisco criou o Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, organismo que ainda está neste momento sob a sua orientação direta, para abordar toda a problemática dos migrantes, deslocados, refugiados e vítimas de tráfico humano.

“Todo o estranho que bate à nossa porta é uma oportunidade para um encontro com Cristo”, recorda o Papa, citando o Evangelho de São Mateus para traçar a marca de “solidariedade” que deve caracterizar “cada passo da experiência migratória”.

“Esta é uma grande responsabilidade, que a Igreja quer partilhar com todos os crentes e homens e mulheres de boa vontade, que são chamados a responder aos muitos desafios da migração contemporânea, com generosidade, prontidão, sabedoria e visão, de acordo com as capacidades de cada um”, escreve Francisco.

Na sua mensagem, o Papa argentino recorda o compromisso que os “líderes mundiais expressaram” durante a Cimeira das Nações Unidas a 29 de setembro de 2016, no sentido de “tomarem medidas decisivas no apoio aos migrantes e refugiados, para salvar vidas e proteger os direitos das pessoas”.

Durante o mesmo encontro, os responsáveis internacionais comprometeram-se a desenvolver, “até ao final de 2018”, dois projetos globais relacionados com refugiados e migrantes.

“O contributo da comunidade política e da sociedade civil é indispensável, cada uma de acordo com as suas responsabilidades”, aponta Francisco.

Sobre os quatro verbos apresentados como “fórmula” para enfrentar a atual crise migratória, “acolher, proteger, promover e integrar”, o Papa desenvolve vários tópicos com que espera sensibilizar todos os atores envolvidos nesta causa.

“Acolher significa, acima de tudo, oferecer mais opções para os migrantes e refugiados entrarem nos países de destino de forma segura e legal”, refere Francisco, que defende por exemplo a necessidade de “alargar e simplificar o processo de atribuição de vistos humanitários e de reunificação familiar”.

No que diz respeito ao verbo “proteger”, o Papa argentino realça a necessidade de salvaguardar migrantes e refugiados de práticas como o tráfico humano ou o recrutamento para trabalho ilegal, e dar às pessoas iguais condições de acesso a ferramentais que lhes permitam prosseguir com as suas vidas, no país de destino.

“Quando devidamente reconhecido e valorizado, o potencial e as capacidades dos migrantes, dos refugiados e de todos quantos buscam asilo são um recurso valioso para as comunidades de acolhimento”, complementa.

Uma noção que entra já no espaço dos outros verbos, “promover” e “integrar”, que implicam ter em conta também as necessidades de “crianças, jovens e idosos” e de pessoas com “necessidades especiais” ou portadoras de deficiência.

“Reitero a necessidade de fomentar a cultura do encontro de todas as formas possíveis”, conclui Francisco, que convida todas as comunidades cristãs “a partilharem estes verbos com todos os atores políticos e sociais envolvidos”.

Fonte: Agência Ecclesia
http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/vaticano/papa-enfrentar-atual-crise-migratoria-implica-acolher-proteger-promover-e-integrar/

Share

Comentários

comentários