ONU lança rede latino-americana para promover participação das mulheres na política

Quando a diversidade na tomada de decisões não existe, é provável que os interesses públicos sejam traduzidos em políticas que representem apenas um grupo em detrimento de outros, gerando desconfiança e distanciamento do sistema democrático. A avaliação é do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que lançou na terça-feira (29) a Rede de Democracia Paritária, a fim de incentivar a participação das mulheres na política da América Latina.

Atualmente, na América Latina e Caribe, permanecem pequenas as condições de acesso, participação e permanência das mulheres em cargos políticos, ainda que a porcentagem das parlamentares eleitas tenha passado de 13,2% em 2000 para 31,5% em 2018.

De acordo com o Global Gender Gap Report 2018, relatório do Fórum Econômico Mundial sobre as desigualdades de gênero em 149 países, o Brasil ocupa a 112ª posição no ranking sobre o empoderamento político das mulheres. A Bolívia está na 14ª posição, à frente de países como Colômbia (59ª) e Paraguai (114ª).

Quando se avalia separadamente o número de mulheres eleitas para o Congresso, o Brasil aparece no 126º lugar da lista, índice um pouco melhor do que a taxa de participação feminina em cargos ministeriais (139ª posição).

Para avançar a participação das mulheres em espaços de decisão, foi lançada a Rede de Democracia Paritária, que faz parte da iniciativa Atenea, promovida pelo PNUD, ONU Mulheres e Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA Internacional). Com especialistas regionais, atores políticos, líderes e formadores de opinião, a Rede vai promover trocas de experiências, estratégias e recomendações.

O lançamento da inciativa reuniu num seminário online a vice-presidente da Costa Rica, Epsy Campbell Barr, a diretora regional adjunta da ONU Mulheres para as Américas e o Caribe, Lara Blanco, e o diretor do Centro Regional do PNUD para a América Latina e o Caribe, Richard Barathe. O debate foi mediado pela coordenadora-residente da ONU na Costa Rica, Alice Shackelford.

A iniciativa Atenea

A Atenea é um mecanismo que busca aumentar a participação política das mulheres na América Latina, por meio de ações que lhes permitam ocupar posições de liderança e representação. Com isso, as mulheres também poderão influenciar o desenvolvimento das sociedades.

Promovida em conjunto pelo PNUD, ONU Mulheres e IDEA Internacional, a iniciativa já está presente em oito países (México, Guatemala, Panamá, Uruguai, Chile, Argentina, Peru e Honduras) e em fase inicial em três outras nações e uma província (Colômbia, Bolívia, Brasil e Córdoba/Argentina).

Fonte: Nações Unidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *