ONGS francesas protocolam representação contra juíza do sequestro de Battisti

Jornais Brasileiros informam sobre a Representação conta a Juíza do falido Sequestro de Cesare Battisti no 12/03

 

Carlos Alberto Lungarzo

 

 

Na coluna de Sonia Racy, no jornal O Estado de São Paulo do dia de hoje informa-se que foi protocolada uma representação contra a juíza que tentou executar o sequestro de Cesare Battisti, através de uma fingida “deportação legal” no dia 12 de março

O Jornal não especifica, por razões que desconheço, quem é o autor da representação, mas quero informar aos leitores que os autores são os dirigentes da Liga Francesa dos Direitos do Homem.

Esta liga é a mais antiga instituição oficial de Direitos Humanos do Planeta, e uma das mais ativas. Foi criada já no século XIX, para lutar contra o infame julgamento do capitão DREYFUS

 

 

Acredito que a jornalista podia ter esse dato, pois colocou estes dois títulos nas duas partes de sua coluna:

 

“À Francesa”, onde se diz que a representação contra a juíza foi protocolada junto à Corregedora de CNJ, em Brasília, e

 

À Francesa 2, onde se adverte que a representação foi acompanhada de uma cópia do Jornal italiano L’INDRO, onde o procurador ARES confessa que a “deportação” de Battisti tinha sido mirabolada por juízes e procuradores. (Ele não usa o termo “mirabolar”, claro).

 

Em diversos blogs há uma nota gerada por mim há algumas semanas, detalhando os métodos do sequestro.

Essa referência à França no Estadão faz supor que a jornalista tinha os dados dos representantes, que são o presidente, o secretário e o presidente de Honra da Liga.

O artigo é objetivo e imparcial, e reproduz algumas breves frases, sem modificar nada. Aliás, essas frases são as mais emblemática.

 

Esta publicação do Estadão, como foi, em 2011, a de Andrei Neto, sobre as procurações falsas no caso Battisti, é uma avanço importante para a visibilidade deste infame sequestro sonegado por os que o forjaram.

 

Ainda esta semana, vamos protocolar, em Brasília, novas representações, esta vez de pessoas e instituições brasileiras. Por exemplo, as violações a Lei da Magistratura cometidas pela juíza.

Não sabemos como reagirá o CNJ, mas a luta não acabou nem remotamente, e todos estamos com as baterias recargadas.

Fascistas Brasileiros e Italianos vão ter que esforçar muito suas mentes mononeuronais.

Não é impossível que eles vençam, mas do que temos certeza é que vão precisar se esforçar muito, porque o círculo em prol de Battisti está se reorganizando.

 

Obrigado

 

Carlos Alberto Lungarzo

Carlos Alberto Lungarzo é matemático, nascido na Argentina, e mora no Brasil desde sua graduação. É professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), São Paulo, e milita em Anistia Internacional desde há muito tempo, nas seções mexicana, argentina, brasileira e (depois do fim desta) americana. Tem escritos vários livros e artigos sobre lógica, estatística e computação quântica, mas seu interesse tem sido sempre os direitos humanos.

Seções: Opinião.