O que fazer?

Confesso que o que vi ontem, Lula no cemitério se despedindo do seu netinho Arthur, rodeado de um operativo policial truculento, me fez compreender mais sobre a natureza do regime atualmente instalado no Brasil, do que qualquer análise política.

A desumanidade de quem usa o aparato policial para agredir a um homem indefeso, preso injustamente, doído numa hora que não desejo a nenhum dos seus algozes, me machucou.

Não estão apenas querendo maltratar a quem tanto bem fez aos pobres e aos excluídos e excluídas neste país, estão querendo nos quebrar moralmente, e isto não podemos permitir.

Estão querendo destruir a nossa alma, e isto é algo que de maneira nenhuma podemos deixar que aconteça.

Como se pode resistir a esta tentativa de destruição do bem mais precioso que existe? O que é que eu faço, o que é o que nós todas e todos, fazemos e faremos para vencer o regime diabólico instalado no país?

Tenho a certeza de que juntas e juntos, iremos saber o que fazer para nos ter de volta, para poder de novo respirar nesta terra, refazer a vida, a justiça, a liberdade e a alegria.

Temos que saber que do nosso lado há um poder que não pode ser resistido por nada nem por ninguém nesta terra. É o poder de Deus, a força que gera e sustenta a vida.

Não estou fazendo um apelo fundamentalista, apenas lembrando de algo que todas e todos sabemos. A nossa força vem da nossa história de vida, dos nossos valores, da nossa cultura.

A cultura do trabalho, do cuidado da família, do cultivo da amizade desinteressada. A fé na capacidade criativa que tivemos que usar para enfrentar todas as adversidades. Vamos vencer. Temos que vencer!