O outro ‘mundial’

Imagem: Hassam

Imagem: Hassam

Certa vez, estava passando ao lado de uma ocupação na Mangueira, muito próximo ao Maracanã — no máximo 10 minutos a pé. “São centenas de famílias”, me disse a autoridade, apontando para o prédio de uns 10 andares.

Algum poder público tentou entrar? Conversar com as famílias? Ver se precisam de atenção médica, ou o que querem? Alguém foi lá pra levar ajuda de desenvolvimento?

“Não, o prédio é do IBGE, tá na Justiça. No máximo a UPP, que não tem essa função, né? Mas tudo agora é a UPP. Até quando falta luz, é pra UPP que ligam. O que a UPP tem a ver com isso? Não pode ser tudo na conta da segurança.”

O outro ‘mundial’ é isso aí, foi o que vi com meus próprios olhos. Nós, cidadãos, não temos a capacidade para mudar sozinhos, isolados, essa situação. Trabalhamos 10 horas por dia, seis dias por semana, para tentar pagar o aluguel. O dinheiro vai, em grande parte, pro Estado, que tem as condições e responsabilidade de fazer alguma coisa. E o que o Estado faz? Trabalha para o lucro dos empresários, que eles chamam de “desenvolvimento”.

Mas, juntos, os cidadãos precisamos mudar isso. Precisamos enfrentar a organização orientada do Estado e seus interesses não declarados.

* * *
Leia também: Você sabe quem é Joana Havelange? (imagem disponível aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *