O filme Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, com Sônia Braga e outros/as, é excelente e imperdível

Ontem, dia 10 de setembro de 2016, assisti ao filme Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, estrelado por Sônia Braga e outros/as grandes artistas.

Excelente e imperdível o filme. Sônia Braga, no papel de dona Clara, uma aposentada de 65 anos de idade, resiste às investidas covardes de executivos da Construtora Bonfim – Bonfim para o sistema do capital, mas péssimo fim para o povo. No prédio Aquarius, no bairro de Boa Viagem, em Recife, PE, dona Clara se tornou a única proprietária que se nega vender o apartamento para a construtora Bonfim.

Inúmeras chantagens, pressões, intimidações e ofertas avantajadas a Construtora fez sobre dona Clara com o único objetivo: lucrar, acumular economicamente. Mas, dona Clara, de cabeça erguida, mete o pé no barranco e resiste: “Daqui só saio morta”, adverte. Dona Clara é símbolo/metáfora do povo das Ocupações da Izidora em Belo Horizonte, da Mata do Planalto e do povo do Planalto em Belo Horizonte, dos povos indígenas, dos quilombolas, das comunidades tradicionais (geraizeiros, vazanteiros, caatingueiros, pescadores etc) e demais ocupações urbanas e do campo que resistem ao poder opressor do mercado imobiliário que resistem aguerridamente contra o rolo compressor do sistema do capital e seus vassalos/arautos.

Por outro lado, a Construtora Bonfim é símbolo/metáfora da Construtora Direcional que, sem piedade, insiste em devastar a Mata do Planalto em Belo Horizonte e em demolir 5.000 casas construídas nas Ocupações da Izidora, em BH e Santa Luzia, MG; é símbolo das mineradoras (Vale, Samarco, BHP etc) que, adorando o deus capital, vão causando devastação socioambiental sem precedentes; é símbolo/metáfora do Estado violentador do povo e das comunidades camponesas.

O filme revela, no papel dos integrantes da Construtora Bonfim, os artifícios que as construtoras podem utilizar para expulsar as pessoas dos territórios nobres quando decidem se instalar no local. Como mostra Dona Clara, é preciso resistir, ter coragem, desvelar a maldade e lutar. Tem muitas outras belezas o filme Aquarius. Obrigado, de coração, Kleber Mendonça Filho, Sônia Braga e todo o elenco por terem feito um filme tão humanizador e que mostra que moradia não é mercadoria e não pode ser financeirizada como vem acontecendo no Brasil. A quem ainda não assistiu, digo: Não deixe de ir assistir ao filme Aquarius.

Frei Gilvander Moreira, Frei e Padre Carmelita, mestre em Exegese Bíblica/Ciências Bíblicas, professor de Teologia Bíblica, assessor da CPT, CEBI, CEBs, SAB e Via Campesina; e-mail: [email protected] – www.gilvander.org.br – facebook: gilvander.moreira – www.twitter.com/gilvanderluis

Seções: Brasil, Cidadania, Cultura.