“O Estado criou estes caras”, afirma Hélio Luz

Hélio LuzHélio Luz, radicado em Porto Alegre, sua cidade natal e onde residem familiares, o ex-chefe de polícia do Rio de Janeiro (de 1995 a 1997, durante o governo de Marcello Alencar) Hélio Luz acompanha com interesse a situação do Rio. Delegado aposentado, Luz dirigia a Polícia Civil do Rio quando agentes prenderam o traficante Marcio Nepomucemo, o Marcinho VP, apontado como um dos líderes do tráfico no Complexo do Alemão – para onde fugiram bandidos armados expulsos da Vila Cruzeiro, na última quinta-feira.

A reportagem e a entrevista é de Carlos Etchichury e publicada pelo jornal Zero Hora, no dia 28 de novembro de 2010.

A imagem de jovens esfarrapados, armados com fuzis, escopetas, metralhadoras e pistolas, não surpreende Hélio Luz.

– O Estado nunca teve uma política de segurança de médio ou longo prazo. O Estado sempre atuou com uma política de segurança imediata – diz.

Eis a entrevista.

Como funciona o comando do tráfico no Complexo do Alemão?

Ele é diferente das demais favelas. É preciso voltar no tempo. Um dos fundadores do Comando Vermelho (CV), Rogério Lemgruber, o Bagulhão, foi preso na Ilha Grande, na época da ditadura, e conviveu com presos políticos.

Qual a influência da convivência com os presos políticos?

Quando ele saiu da Ilha Grande, começou a se organizar e se juntou com outros líderes. Um deles era o Orlando Jogador, que era do Complexo do Alemão. O Comando Vermelho começou a tomar o espaço de outras favelas, mudando a relação com a comunidade. O pessoal que assumia não tinha respeito com a população, porque era de outra área. O Orlando Jogador cresceu naquela área até ser morto, em 1994. Em seu lugar, assumiu o Marcinho Nepomucemo, o Marcinho VP (Vila da Penha), que era o braço direito do Orlando. Ele era da comunidade, e isso fez toda diferença (mesmo preso, Marcinho VP continua dominando o Complexo do Alemão).

As imagens da Rede Globo o surpreendem?

É uma situação antiga. Esta formação não foi feita em dois anos, cinco anos. Ela foi feita ao longo de 30 anos. Eles conseguem se sustentar no Complexo do Alemão, diferentemente de outras áreas, porque são de lá. Eles conhecem bem o terreno e a comunidade. Mas eles não constituem exército, milícia, coisa nenhuma. É um bando de garotos que não têm nada na cabeça. O fato de eles fugirem juntos supõe algum nível de organização de enfrentamento. Mas não têm.

Qual foi o momento em que o Estado perdeu o controle da situação?

O Estado nunca teve uma política de segurança de longo prazo. Nem de médio prazo. O Estado sempre operou com política de segurança de resultados. Há duas causas para o que nós estamos vendo. Uma, mais remota, e mais grave, que é a questão social. Outra, mais próxima, é restrita à área de segurança.

A impressão é de que se trata de um grupo organizado.

Quando ocorre esta ação espetacular, você pensa que o Estado venceu e que nós estamos derrotando um inimigo. Mas eles não são inimigos do Estado, eles são integrantes do Estado, mas foram marginalizados. O Estado criou estes caras. É produto direto do que nós fizemos. Num nível mais direto da segurança é resultado da corrupção das polícias do Rio.

A polícia do Rio é corrupta como mostrou os filmes Tropa de Elite e Tropa de Elite II?

É muito mais. Se fosse como o filme, seria ótimo. O grande problema é quantas vezes estes garotos foram presos e soltos? Foram para delegacia e liberados? Nem fichados são. Por quê? Porque tem acerto. Eles existem pela permissividade da polícia. Além disso, há questões de fundo. Eles prendem estes 200 que nós vimos fugindo, mas vão colocar aonde? E os outros, sei lá, 20 mil que têm no complexo com a idade deles? Tem política para eles? Vai ser proporcionada uma vida decente para eles? Como será feita a manutenção da área ocupada?

Qual a opinião do senhor sobre as UPPs?

É interessante. Eu não entendo por que colocam recrutas para montar UPPs. Eles dizem que, na média, são uns 200 recrutas com um oficial. Nas 14 UPPs dá algo em torno de 2,8 mil recrutas, 3 mil recrutas. Então, 3 mil recrutas estão resolvendo a situação da criminalidade no Rio? Tem um contingente de 40 mil policiais, mais 10 mil na Polícia Civil, que não resolveram o problema da criminalidade. É isso que estão dizendo? Se é isso, estão confirmando que o problema é corrupção.

Qual a solução para o Rio?

É desconcentração de renda. Quem tem de dar palpite sobre a segurança no Rio é aquele professor de Pernambuco, o Mozart Neves (ex-reitor da Universidade Federal de Pernambuco, integrante do movimento Educação para Todos). O negócio é educação. Não tem saída.

O senhor já participou de grandes operações no Complexo do Alemão?

Já participei de operações, mas não de grandes operações. Não precisa. Claro que agora, com essa situação, são necessárias mobilizações. Mas os principais vagabundos do Rio foram presos sem dar um tiro. Tu prende o cara no asfalto.

Esta é a situação mais crítica do Rio?

Em 1994, havia 140 pessoas sequestradas no Rio. O problema era muito sério. Os empresários, na época, queriam sair do Rio. Eles faziam seguro com empresas americanas para ter segurança na cidade. Foi um período de caos. Acabou o sequestro no Rio. Por que acabou? Porque a polícia antissequestro parou de sequestrar.

Share

Comentários

comentários

  • Criou mesmo!!! Meu falecido pai já dizia há umas 2 décadas atrás: “estão deixando a árvore crescer; deviam cortar agora enquanto ela é pequenina”…

  • Concordo com o Hélio Luz, e tem mais: o principal culpado dessa situação no Rio é a polícia carioca, que historicamente tem corruptos demais.
    Diferentemente do que ocorre nos EUA, onde o policial corrupto é praticamente um subordinado da máfia (russa, italiana, chinesa, japonesa, que controlam praticamente 99% do tráfico de entorpecente) aquí o polícia é um extorquidor de vagabundo: ou este se acerta ou é preso ou morto.
    Tem uma carrada de policial que possui bens que descaradamente não são compatíveis com seus vencimentos;essa parte (não tão pequena assim) da polícia fluminense nunca permitiu o combate efetivo ao tráfico pois seria como deixar matar suas galinhas dos ovos de ouro.
    O governo(nos seus três entes federativo,as Forças Armadas e todo mundo sabe, mas todos fingem não ver.
    O Exército não deve pagar essa conta, mas por conveniência política do Presidente da República em conchavo com o Governador do Estado, entrou numa grande enrascada ao ser jogado num cenário de podres cartas marcadas e pode ver seus efetivos se contaminarem com a criminalidade.Já tem vários militares do Exército que – quando identificados durante um assalto por exemplo – estão sendo sumariamente assasinados por bandidos burros que não enxergam que o seu “inimigo” nunca foi e nunca será as Forças Armadas, posto que estas possuem destinação outra.
    E o quadro torna-se mais lastimável na medida em que jovens pobres que cumprem o serviço militar obrigatório por Lei, estão sendo expulsos e ameaçados nas favelas onde moram.
    Falta atitude aos Generais, outrora mais preocupados com a pátria e com a Força e hoje mais carreiristas e bajuladores do poder político.

  • E que outra alternativa tinha o Governador do Rio de Janeiro, senão enfrentar os traficantes? Ou acham que seria melhor deixar os bandidos à vontade tocando fogo em tudo e levando pânico à população? Uma coisa, é você apontar as origens do problema; outra, é você enfrentar o problema. O entrevistado está indicando algumas das raízes mais profundas do crime organizado. O Governador Cabral está ENFRENTANDO as facções criminosas. O Governador tá fazendo a sua parte, combatendo traficantes. O Dr Hélio Luz, apontando os erros. Criticar sem indicar solução, é fácil demais.

  • Cícero, não sei se você é do RJ e após 3 anos do seu comentário, estamos vivenciando um projeto frustrado na tentativa de combate ao crime organizado. Cabral não enfrenta nada, apenas manda os seus soldados ocuparem as favelas como resposta imediata á mídia. UPP não tem a mínima estrutura para se manter e combater o crime. Os recrutas inexperientes estão com medo de exercer sua profissão dentro de uma favela. O que o governo faz é soltar o policial numa faixa de gaza sem se importar com a sua vida, esperando que este dê algum resultado sem um infra-estrutura. UPP é ficção e quem mora no RJ sabe que o crime NÃO ACABOU e NUNCA ACABARÁ, até mesmo porque o CRIME GERA LUCROS PARA O GOVERNO.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *