O dia de fúria de um professor

Share

Villa por Villa, eu fico com o lendário Pancho, herói da Revolução Mexicana…

Hilário o artigo do historiador Marco Antonio Villa, que a Folha de S. Paulo — sempre ela! — publicou: 44% estão na oposição.

Furibundo com o resultado eleitoral, ele começa ignorando a matemática, com esta afirmação “44% do eleitorado disse não a Dilma”.

Ora, se os eleitores eram 135.804.433, dos quais 43.711.388 teclaram 45 no 2º turno, bastaria uma simples regrinha de três para o professor constatar que foram apenas 32,2% os que votaram contra Dilma Rousseff.

O douto acadêmico estava com a cabeça tão quente que esqueceu-se dos votos em branco, dos nulos e das abstenções.

E de onde ele tirou essa conclusão de que os 43,9% de votos válidos favoráveis a Serra são  oposicionistas?

Os eleitores não poderiam estar apenas convencidos da superioridade do tucano como administrador, que sua propaganda cansou de trombetear?

E não existirão paulistas que gostaram de seu governo?

[Há alguns, sim. Dentre eles, evidentemente, não estão os professores e estudantes universitários, insatisfeitos com a condição de sacos de pancadas da PM. Mas, nem Cristo conseguiu agradar a todos….]

E não podemos esquecer os velhinhos agradecidos a Serra pelos genéricos.

Enfim, colocar todos no saco de  oposicionistas é uma forçação de barra indigna de um mestre. E o exemplo edificante para os pupilos, onde é que fica?

Depois de ignorar a matemática e o bom senso, Villa ignorou também a isenção e o equilíbrio, ao tentar dar uma injeção de moral nos demotucanos ainda grogues do nocaute de domingo:

“…ter chegado ao segundo turno foi uma vitória [para a oposição]. No último mês deu mostras de combatividade, de disposição de enfrentar um governo que usou e abusou como nunca da máquina estatal”.

Ou seja, embora a oposição, pelo seu lado, tenha usado e abusado das manipulações da mídia golpista, determinante mesmo foi a máquina estatal. Brilhante.

Como se o jogo não tivesse ido para a prorrogação apenas porque o PIG transformou o aborto no principal assunto da campanha às  vésperas do 1º turno, ao mesmo tempo em que levantava descaradamente a bola de Marina Silva!

Bem que tentou repetir a dose no 2º turno, mas não conseguiu fazer com que o eleitorado acreditasse na metamorfose de bolinha de papel em meteoro.

E ainda houve jornalão dando capa para a inqualificável intromissão do Papa Bento XVI nos assuntos internos brasileiros, três dias antes da votação, mas esse trunfo chegou muito tarde e a Igreja Católica não tem mais a influência que tinha em 1964, quando mobilizou a classe média conservadora para apoiar a quartelada.

Villa ignorou, ainda, a compostura, atacando os vencedores da forma mais deselegante e destrambelhada:

“O lulismo tem pilares de barro. É frágil. Não tem ideologia. Não passa de uma aliança conservadora das velhas oligarquias, de ocupantes de milhares de cargos de confiança, da máfia sindical e do grande capital parasitário”.

Substitua-se “máfia sindical” por “viúvas da ditadura” e a frase cairá como uma luva para a aliança demotucana. Ou os governos estaduais e municipais que eles pilotam não têm velhos oligarcas, grandes capitalistas e a turma das  boquinhas?

Por último, Villa ignorou a verdade, ao acusar todo o lulismo de estar perseguindo Monteiro Lobato (“Como disse Monteiro Lobato, preso pelo Estado Novo e agora perseguido pelo lulismo…”).

Desde quando o insignificante Conselho Nacional de (Des)Educação, ao elaborar pareceres desnecessários e tolos, expressa a posição de Lula, dos dirigentes do PT, dos movimentos sociais,  do clero progressista, do  universo do lulismo, enfim?

Seria simplesmente asnático brigar com a extraordinária biografia de Monteiro Lobato, ainda mais num momento em que a Petrobrás é o grande cartão postal do governo.

Noves fora, tudo não passou de mais um exemplo da crassa ignorância de funcionários subalternos, incumbidos de tarefas além de suas qualificações. E o Villa sabe muito bem disto.

Satanizar os adversários é feio, professor!

Share

3 thoughts on “O dia de fúria de um professor

  1. A respeito de Monteiro Lobato, eu suplico: leiam o parecer do CNE antes de criticar. Tanta manipulação da mídia, tanto pseudojornalismo e vocês ainda não aprenderam a desconfiar do que sai nos jornais?

    Olha o que acontece quando alguém faz uma análise sem preguiça:

    http://tinyurl.com/24y6z5h

  2. Mantenho tudo que escrevi. Foi mesmo uma lambança, que só serviu para dar argumentos aos inimigos.

    Está aí o Fernando Haddad, que não me deixa mentir: jogou o parecer no lixo e determinou que o CNE faça outro.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>