Mensagem do Papa Francisco

“Ângelus”, dia 10.02.2019

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje nos propõe, no relato, segundo Lucas, a vocação de S. Pedro. Sabemos que o nome dele era Simão e ele era um pescador. Jesus, sobre a margem do Lago da Galiléia o vê lançando as redes, junto com outros pescadores. Jesus o encontra fatigado e desiludido, porque naquela noite, nada haviam pescado. Então, Jesus o surpreende com um gesto de improviso: suba na barca e tome um pouco de distância da terra porque Jesus dali queria falar ao povo. Havia muita gente!

Assim, Jesus se senta na barca de Simão e ensina à multidão reunida ao longo daquela margem. Mas suas palavras reanimam a confiança e o coração também de Simão. Então, Jesus, com outro gesto surpreendente lhe diz: “avancem mais e lancem suas redes para a pesca”.

Simão responde com uma objeção: Mestre, nós nos cansamos durante a noite inteira, e nada pescamos…”. E, como um pescador experiente, poderia acrescentar: “ Se nada pescamos durante a noite,  muito menos vamos pescar de dia”.  Em vez disto, inspirado na presença de Jesus e iluminado por sua Palavra, diz: “ …Mas, confiante na sua Palavra, vou lançar as redes”. É a reposta da fé, que também nós somos chamados a dar. É a atitude de disponibilidade que o senhor pede a todos os Seus discípulos, sobretudo aos que têm deveres e responsabilidades na Igreja.  E a obediência confiante de Pedro  gera um resultado prodigioso: “Assim fizeram, e pescaram uma quantidade enorme de peixes”.  Trata-se de uma pesca milagrosa. Sinal do poder da Palavra de Jesus: quando nos pomos com generosidade ao Seu serviço,  Ele faz grandes coisas. Assim, Ele age com cada um de nós: Ele nos pede para acolhê-Lo  no barco de nossa vida, para partilhar com Ele e navegar um novo mar, que nos revela  tarefas surpreendentes. O Seu convite a sairmos pelo mar aberto da humanidade de nosso tempo, para sermos testemunhas  de bondade e de misericórdia,  dá um novo sentido à nossa existência, que corre o risco, muitas vezes, de tornar-se chata. Às veze, podemos  ficar surpresos  e titubeantes diante frente ao chamamento que Ele nos faz, Ele o divino mestre , e somos tentados  a recusar, em razão de nossa inadequação.  Pedro, também, após aquela  pesca incrível, disse a Jesus: “ Senhor, afaste-se de mim, porque sou um pecador.”   É linda esta  oração.  Ele a pronunciou, de joelhos, diante  dAquele que a partir de então, reconhece  como seu Senhor.  E Jesus o encoraja, dizendo: “ Não tema. Doravante você será pescador de homens, porque Deus, se nEle confiamos, nos livra do pecado e nos abre novos horizontes: colabora com a Sua missão.

O maior milagre feito por Jesus a Simão e aos demais pescadores desiludidos e cansados, não foi tanto o da rede cheia de peixes, mas o de havê-los ajudado a não sucumbirem como vítimas da desilusão e do desânimo diante dos desafios.  Nesta ocasião, Ele os abriu, de modo a se tornarem anunciadores e testemunhas de Sua Palavra e do Reino de Deus.  E a reposta dos discípulos foi imediata e total: “ conduzindo os barcos para a praia, deixaram tudo e O seguiram.”

Que a Virgem Santa, modelo de pronta adesão à vontade de Deus, nos ajude a sentirmos o fascínio do chamamento do Senhor,  e nos torne disponíveis  a colaborarmos com Ele, a fim de difundir , por toda a parte,  Sua Palavra de Salvação.

Trade: AJFC

Digitação: Águeda Calado  e  Paulo Calado.

Nós também Somos Igreja, grupo de estudo, reflexão e ação social cristã.

Seções: Mundo. Tags: .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *