Mensagem do Papa Francisco

“Ângelus”, dia 19.03.2017

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste terceiro Domingo da Quaresma nos apresenta o diálogo de Jesus com a Samaritana. O encontro acontece, quando Jesus atravessava a Samaria, região entre a Judéia e a Galiléia, habitada por gente que os judeus desprezavam. Por considerá-la cismática e herética. Mas, foi justamente esta população a tornar-se uma das primeiras a aderir a pregação cristã dos apóstolos. Enquanto os discípulos foram até à aldeia,, em busca de alimento, Jesus permanece perto de um poço, e pede água a uma mulher, que ali viera para buscar água. E desse pedido começa um diálogo:

– “Como pode um judeu pedir alguma coisa a uma samaritana?” Ela pergunta. Jesus responde:

– “Se você soubesse quem sou Eu, e o dom que tenho a lhe oferecer, seria você quem Me pediria. E Eu lhe darei água viva, uma água que sacia toda a sede, e que se torna fonte inesgotável no coração de quem a bebe.”

É cansativo e incômodo ir ao poço, em busca de água. Quão bom seria dispor de uma fonte jorrante! Mas, Jesus está falando de uma água diferente. Quando a mulher se dá conta de que o homem com quem está falando, é um profeta, ela Lhe confia sua própria vida, e Lhe faz perguntas de caráter religioso. Sua sede de afeto e de vida plena não havia sido saciada pelos cinco maridos que teve. Pelo contrário, experimentou decepções e desenganos. Por isto, a mulher fica tocada pelo grande respeito que Jesus tem por ela, e quando Jesus lhe fala justamente da verdadeira fé, como relação com Deus Pai “em espírito e verdade”, então ela intui que aquele homem poderia ser o Messias. E Jesus – coisa raríssima! – o confirma: “Sou Eu que estou falando com você.” Ele confessa ser o Messias a uma mulher com uma vida tão desordenada.

Caros irmãos, a água viva que dá a vida eterna foi derramada em nossos corações, no dia do nosso Batismo. Nesta ocasião, Deus nos transformou e nos encheu de Sua Graça. Mas, pode acontecer que tenhamos esquecido este grande dom, ou o tenhamos reduzo a um mero adorno pessoal, ou talvez andemos em busca de “poços”, cujas águas não nos desedentam. Quando esquecemos, vamos em busca de água poluída. Então, este Evangelho é justamente para nós. Jesus nos fala, como falou à Samaritana. Por certo, nós já O conhecemos, mas talvez ainda não O tenhamos encontrado pessoalmente, falando com Ele, e ainda não O tenhamos reconhecido como nosso Salvador. Este tempo de Quaresma é a ocasião certa para nos aproximarmos dEle, para encontrá-Lo na oração, num diálogo de coração a coração, para ver Seu rosto, no rosto de uma irmão ou de uma irmã sofredora, de modo que possamos renovar em nós a graça do Batismo, e nos dessedentarmos na fonte da Palavra de Deus e do Seu Santo Espírito, e assim descobrir também a alegria de nos tornarmos artífices de reconciliação e instrumentos de paz, na vida de cada dia.

Que a Virgem Maria nos ajude a buscar constantemente a graça, naquela água que jorra da rocha que é Cristo Salvador, a fim de que possamos professar, com convicção, nossa fé, e anunciar com alegria as maravilhas do Amor de Deus misericordioso e fonte de todo Bem.
https://www.youtube.com/watch?v=SXq9aqIBLBA

(Do minuto 10:47 ao minuto 17:37)

Trad.: AJFC

Share

Comentários

comentários