Mensagem do Papa Francisco

“Regina Coeli”, dia 15-04-2018 
Caros irmãos e irmãs, bom dia!

No centro deste terceiro Domingo de Páscoa, está a experiência do Ressuscitado, feita pelos Seus discípulos, todos juntos. Isto fica evidenciado pelo Evangelho, que mais uma vez nos introduz ao Cenáculo, onde Jesus Se manifesta aos Apóstolos, dirigindo-lhes esta saudação: “A Paz esteja com voccês!” É a saudação do Cristo Ressuscitado que nos dá a Paz: “A Paz esteja com vocês!” Trata-se tanto da paz interior, quanto da que deve ser estabelecida nas relações entre as pessoas. O episódio narrado pelo evangelista Lucas insiste muito no realismoda Ressurreição. Jesus não é um fantasma. Não se trata, com efeito, da aparição da alma de Jesus, mas da Sua real presença, com o corpo ressuscitado.

Jesus percebe que os Apóstolos estão perturbados, ao vê-Lo. Estão desconcertados, pois a realidade da Ressurreição é incompreensível para eles. Creem estarem vendo um fantasma, mas Jesus Ressuscitado não é um fantasma. É um homem de corpo e alma. Por isto, para convencê-los, Ele lhes diz: “Olehm minhas mãos e meus pés”. E fazendo-os ver as feridas: “Sou Eu mesmo!” “Toquem-Me e vejam: um fantasma não tem carne e ossos, como vocês estão vendo que Eu tenho.” E como se isto não bastasse para convencer a incredulidade dos discípulos, o Evangelho diz uma coisa interessante: tal era a alegria que sentiam em seu interior, que nela não podiam acreditar: “Não, não pode ser, não pode ser assim. Tanta alegria não é possível!” E Jesus, para convencê=los, diz-lhes: “Vocês têm aí algo para comer?” E eles Lhe dão peixe assado. Jesus o recebe e o come, na frente deles, para convencê-los.

A insistência de Jesus sobre a realidade de Sua Ressurreição ilumina a perspectiva cristã acerca do corpo. O corpo não é um obstáculo nem a prisão da alma. O corpo foi criado por Deus, e o ser humano não é completo, se não é for a união de corpo e alma. Jesus, que venceu a morte e ressuscitou, de corpo e alma, nos faz compreender que devemos ter uma idéia positiva do nosso corpo. Ele pode tornar-se ocasião ou instrumento de pecado, mas o pecado não é provocado pelo corpo, mas pela nossa fragilidade moral. O corpo é um maravilhoso dom de Deus, destinado, em união coma alma, a expressar em plenitude, Sua imagem e semelhança.

Para tanto, somos chamados a ter muito respeito e cuidado do nosso corpo e do corpo dos outros;Qualquer ofensa ou ferimento ou violência ao corpo do nosso próximo é um ultraje a Deus Criador! Penso particularmente nas crianças, nas mulheres, nos anciãos maltratados no corpo. Na carne dessas pessoas, encontramos  o corpo de Cristo – Cristo ferido, ridicularizado, caluniado, humilhado, flagelado, crucificado… Jesus nos ensinou o Amor. Um amor que, na Sua Ressurreição, se mostrou mais poderoso do que o pecado e do que a morte, e quer resgatartodos aqueles que, em seu corpo, experimentam as escravidões dos nossos tempos. Num mundo em que, com demasiada frequência, prevalecem a prepotência contra os mais fracos e o materialismo que sufoca o espírito, o Evangelho de hoje nos chama a sermos pessoas capazes de, cheias de maravilhamento e grande alegria, olhar com profundidade, por havermos encontradoo Senhor Ressuscitado. Chama-nos a sermos pessoas que saibam recolher e valorizar a novidade de vida que Ele semeia na história, para orientá-la rumo a novos céus e nova terra.

Que a Virgem Maria, a cuja materna intercessão nos entregamos, confiantes, nos socorra, nesta caminhada.
https://www.youtube.com/watch?v=rZOoV1P5xcc

(Do minuto 0:18 ao minuto 6:04)

Trad.: AJFC

 

Share

Comentários

comentários