Mensagem de Lula e presença de Vanucchi marcam abertura da V ILGA-LAC

 Na noite dessa quarta-feira, 27 de janeiro, foi aberta oficialmente a V Conferência Regional da Associação Internacional de Gays e Lésbicas da América Latina e do Caribe (ILGA-LAC), realizada em Curitiba (PR). Na abertura, estavam presentes militantes, autoridades e políticos que se posicionam a favor da garantia de direitos para a diversidade sexual. Convidado para participar do evento, o presidente Lula enviou à entidade uma carta em que justifica sua ausência e destaca a luta contra a intolerância apoiada pelo governo. A mensagem de Lula cita ainda o 3º Plano Nacional dos Direitos Humanos como ferramenta de promoção da cidadania de LGBT. A  carta do presidente Lula foi lida pelo deputado federal Dr. Rosinha.

 
Presente à cerimônia, o ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, SEDH, defendeu a união civil entre pessoas do mesmo sexo e as bandeiras do movimento LGBT no Brasil. “A luta de vocês e outras são fundamentais para o avanço da sociedade”, afirmou em discurso inflamado, pelo qual foi aplaudido de pé.
 
Toni Reis, reeleito na última terça-feira, 26/1, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, ABGLT, chamou ao palco ativistas da Guiana, Trinidad e Tobago, Jamaica, Belize, Granada e São Vicente e Granadinas, chamando-os de “bravos guerreiros”, por militarem em países onde a homossexualidade é crime. Estes também foram aplaudidos de pé . A cerimônia contou também com a presença de Mariângela Simão, diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde; e do deputado federal José Genoíno (PT-SP), entre outros.

 

Logo-ILGA

Íntegra da carta do Presidente Lula
 
Senhoras e senhores,
 
Fiquei muito honrado com o convite a mim enviado pela Coordenação Geral da 5ª Conferência da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais para a América Latina e o Caribe para comparecer a este importante evento. Por motivos de viagem internacional, não posso estar aqui presente, mas agradeço a gentileza.
 
Inicialmente, envio saudação a todos os participantes desta conferência e especiais boas-vindas aos enviados estrangeiros que nos brindam com suas presenças, aos quais desejo tenham agradável estada entre nós e desfrutem da conhecida hospitalidade brasileira.
 
Devo declarar que a luta contra a intolerância e a discriminação, com os consequentes esforços pelo respeito à pessoa humana, aí incluída a consideração pela orientação sexual, tem norteado esta gestão desde o início do primeiro mandato. No início de nosso governo, conferimos status de ministério à Secretaria Especial dos Direitos Humanos e criamos a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, também com força de ministério, destinadas, as três, a articular esforços com todas as demais áreas da administração.
 
Cuidou-se, assim, que a proteção aos direitos humanos fosse concebida como ação integrada de governo e, mais ainda, como verdadeira política de Estado, com prosseguimento sem sobressaltos quando houver alternância de partidos no poder, fato que é natural e até indispensável na vida democrática.
 
Assim, a Secretaria Especial dos Direitos Humanos, que já havia dado origem ao Programa Brasil Sem Homofobia, que aprovamos em 2004, elaborou e nosso governo lançou, em dezembro último, o 3° Plano Nacional de Direitos Humanos (3° PNDH). O Plano possui, entre seus objetivos estratégicos, a garantia do respeito à livre orientação sexual e identidade de gênero.
 
Outro objetivo é a redução da violência motivada por diferenças de gênero, raça ou etnia, idade, orientação sexual e situação de vulnerabilidade. Em consequência, propõem-se políticas que estimulem programas de atenção integral à saúde das mulheres, considerando suas especificidades, inclusive de orientação sexual.
 
A par de nossas propostas e providências, estamos certos de que as organizações voltadas à luta pela livre expressão de orientação sexual prosseguirão em seu trabalho, que já vem alcançando bons resultados entre nós, o qual sempre terá nosso efetivo apoio.
 
Desejo que dos debates que aqui se realizarão surjam propostas que contribuam para o fortalecimento do segmento LGBT e contribuições para o aperfeiçoamento das providências governamentais que já vêm sendo tomadas no âmbito federal no Brasil.
 
Recebam todos meu fraternal abraço,
 
Luiz Inácio Lula da Silva
Presidente da República Federativa do Brasil
 
Sobre a V Conferência Regional ILGA-LAC
 A Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, pessoas Trans e Intersexuais (ILGA) é uma federação mundial que congrega grupos locais e nacionais dedicados à promoção e defesa da igualdade de direitos para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas trans e intersex (LGBTI) em todo o mundo. Fundada em 1978, a ILGA reúne entre seus membros mais de 670 organizações, entre pequenas coletividades e grupos nacionais, representando, assim, mais de 110 países, oriundos de todos os continentes. No encontro de Curitiba, estará representada a seção da América Latina e Caribe da ILGA.

Local
Victória Villa Hotel – Avenida Sete de Setembro, n° 2448 – Centro, Curitiba, Paraná. Fone (41) 3324-7878‎
Programação completa
http://www.ilgalac.grupodignidade.org.br/port/index.php
Mais informações
[email protected]
http://www.ilgalac.grupodignidade.org.br/port/index.php