Maremotos: terrorismo telúrico

Por Isaac Bigio

LONDRES, 5/1/2005. Uma semana após o incidente do sismo sul-asiático é que o premiê britânico decidiu encerrar suas férias. Não considerou necessário interromper as férias frente à magnitude da morte de 150.000 pessoas, produzida diante ao grande centro humanístico da “Mancomunidade” Britânica de Nações.

O paradóxico é que Blair tem viajado pelo mundo, procurando sempre mais aliados a cada vez que os EUA deseje se vingar do assassinato de vários de seus compatriotas. O tsunami, que matou mais gente do que uma bomba atômica, pode repetir-se.

Em 1746 um maremoto arrasou ao Callao (então o principal porto do hemisfério sul) assassinando 95% de seus habitantes. A inevitável erupção do vulcão das Palmas nas Ilhas Canárias poderia gerar ondas que sepultassem Nova Iorque.

Os serviços de inteligência gastam bilhões para vigiar e perseguir células terroristas. Mas o sismo asiático demonstrou que não se investe muito em “espionar” as mudanças geológicas e que não existe nenhuma organização global que coordene a luta contra o ‘terrorismo telúrico’ e que possa se mobilizar imediatamente recursos em massa para socorrer os prejudicados. Tradução de Pepe Chaves

Share

Comentários

comentários

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Sem categoria. Tags: .