Lula mostra a coragem de fazer História mais uma vez

Por Paulo Moreira Leite

Embora o calendário informe que faltam sete meses para a eleição presidencial, enfrentamos um período  histórico com tantas incertezas — só sabemos que nada sabemos sobre o que vai acontecer até o fim do Carnaval  — que é bom aprender a distinguir um necessário pacto de reconstrução da democracia dos conhecidos cantos de sereia que surgem nessas horas.

A melodia é uma chantagem  desafinada, foi exposta por Gilmar Mendes e já pode ser ouvida em várias conversas ao longo da semana.

Em troca da liberdade de Lula, ameaçado por uma condenação sem provas, a ser mais tarde reforçada por outras sentenças já no forno, retira-se sua candidatura presidencial. Com isso, abre-se espaço para o palanque de fantasmagorias eleitorais que os patrões do golpe pretendem improvisar até outubro, sem chance de vitória se os candidatos de laboratório tiverem de enfrentar o mais popular presidente de nossa história. Este é o ponto onde a História faz uma curva, define personagens, refina os enredos.

Em 1964, não custa recordar, Juscelino ouviu tantos cantos de sereia após o golpe de abril que não apenas votou contra Jango numa vergonhosa decisão no Congresso que enterrou um mandato presidencial legítimo. Também  acreditou que seria preservado em seus direitos para disputar a presidência em 1965. Mais popular político de sua época, JK perdeu o mandato e foi para o exílio antes que a ditadura — que duraria 21 anos — completasse três meses.

Quarenta anos depois, lembrai-vos da AP 470, o Mensalão. As sereias que se alvoroçavam em torno de Joaquim Barbosa diziam que bastaria entregar José Dirceu, José Genoíno, João Paulo Cunha & demais lideranças petistas para preservar um governo que era apenas o embrião do mais bem sucedido combate à desigualdade e pelo desenvolvimento que nossa história conheceu. A salvação foi produzida pela mobilização popular, dentro e fora do governo. O saldo foi um dos períodos de maior prosperidade de nossa história.

Num país com uma reconhecida tradição de pactos conservadores e raros respiros progressistas, a liderança de Lula concentra as chances reais de enfrentamento contra um projeto  de regressão nacional jamais visto no Brasil como nação independente. Nem é preciso lembrar as derrotas políticas produzidas em nosso passado, algumas superadas com imensa dificuldade, outras jamais vencidas.

O fato é que ao longo de cinco séculos nunca  experimentamos uma grotesca tentativa de andar para trás — e isso é muito grave. Estamos diante de uma regressão questionada até por uma resolução das Nações Unidas, como lembrou o ministro do STF  Ricardo Lewandovski, citando o artigo 30 da Declarações dos Direitos do Homem, de 1948, onde se diz:   “Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos”. Ou seja: no Brasil de 2018, acontecem coisas que a humanidade que venceu o nazismo considerava inaceitável, “uma afronta aos legítimos postulados de segurança e confiança dos cidadãos”.

A utilidade óbvia da barganha das sereias é amortecer as reações de protesto em curso após a decisão do TRF-4, numa conjuntura na qual, para complicar as coisas para Temer-Meirelles, o golpe está a caminho de enfrentar sua primeira derrota estratégica com a liquidação da reforma da previdência.

Num país que adora falar em ética, a liberdade de Lula não pode ser vista como favor ou recompensa por serviços prestados. É uma consequência natural da Constituição, na qual a presunção da inocência é um princípio fundamental, tanto que só autoriza a prisão após  o “transito em julgado de sentença penal condenatória”.

Outro ponto a considerar sempre é que não há a menor garantia de entrega da mercadoria. A eliminação política de Lula não é um capricho de Sérgio Moro nem dos amigos do FBI. É uma necessidade para se consolidar um  regime político sem lugar para os pobres e seus representantes — seja no orçamento do Estado, seja nas instituições. Desse ponto de vista, a exclusão da candidatura presidencial é o caminho mais fácil para novos ataques a Lula, enfraquecido e criminalizado pela perda de direitos políticos.

Num país onde a sensação de nau a deriva é crescente, ninguém tem o direito de ignorar o efeito de uma eventual prisão do maior líder popular de nossa história republicana. Sem avançar em profecias, é razoável imaginar reações de vulto, com pontos de contato com a insurreição espontânea de 1954, após o tiro no peito de Getúlio, como sugere Franklin Martins, ministro da Secretaria de Comunicação Social entre 2007-2011, em entrevista a TV 247, que você pode ver na íntegra pelo youtube.

Para Franklin “há um sentimento na política que é fortíssimo. Quando cresce, cresce para valer.  É o sentimento de que houve uma injustiça, contra uma liderança muito forte, que foi perseguida, foi massacrada, e que eu não defendi como deveria e acreditei num monte de besteira. Fomos injustos e pequenos com alguém que foi grande com a gente”.

Acima de tudo, o decisivo, é o sinal que vem do próprio Lula. No cenário respeitoso da missa fúnebre em homenagem a  Marisa Letícia, ele fez questão de dizer: “o bom de ficar velho é que a gente perde o medo”. Foi verdade possível num momento em que água jorrava de seus olhos.

Assim que apontou um caminho e comunicou ao país sua decisão política, num trajeto em que o homem se encontra com o país — mais uma vez.

Lula construiu sua liderança na segunda metade da década de 1970. Era um momento favorável da história, de ascensão do movimento operário após o refluxo nas lutas populares sob a ditadura, quando até o empresariado assinava manifestos pela democracia.

Quase 50 anos mais tarde, Lula enfrenta uma situação que, sob vários aspectos, é muito mais difícil, um horizonte de evitar perdas e minimizar danos. Vive-se uma conjuntura adversa, de regressão e retrocesso, na qual a relação entre as classes se altera de modo desfavorável aos trabalhadores e a população explorada. Neste ambiente, Lula aceita,  com uma serenidade que jamais receberá todos os aplausos merecidos,  o desafio que a história lhe reservou.

Recuperando a noção do “nós” e do “eles”, indispensável na definição de interesses e contradições de uma sociedade como a nossa,  em entrevista a Rádio Jornal, de Pernambuco, ele explicou:

“Eles acharam que na primeira pesquisa o Lula estaria acabado. E o que perceberam? Que o Lula não está acabado e o povo está vivo. Eu não quero ser mais do que ninguém, mas também não quero ser menos. Não posso dizer que alguém é ladrão se não der uma prova. Não tentem ganhar de mim no tapetão, disputem comigo”.

Nos próximos dias, estará em Belo Horizonte, para anunciar a vontade de concorrer a presidência. Em seguida, toma o caminho do Sul, iniciando uma caravana em companhia de José Mojica, na fronteira com o Uruguai.

Fonte: Brasil 247

https://www.brasil247.com/pt/blog/paulomoreiraleite/341263/Lula-mostra-a-coragem-de-fazer-História-mais-uma-vez.htm

Comentários

comentários