Líder arrozeiro Paulo César Quartiero adquiriu terras públicas de forma irregular em Marajó, diz Incra

Paulo César Quartieiro já esteve preso em 2008 por tentativa de homicídio

Paulo César Quartieiro já esteve preso em 2008 por tentativa de homicídio

Com Portal Amazônia

O fazendeiro Paulo César Quartiero, eleito deputado federal por Roraima, teria adquirido e registrado terras públicas de forma irregular na ilha de Marajó (PA), mas acusa o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A informação é do jornal O Globo.

Quartiero ficou conhecido por ser líder dos arrozeiros que invadiram a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, e foram obrigados, após decisão do Supremo Tribunal Federal, a saírem do local.

O fazendeiro afirma ter adquirido 12 mil hectares na ilha de Marajó, para destinar à produção de arroz. Segundo o Incra, para uma pessoa registrar uma área superior a 2.500 hectares, é necessário obter autorização do Congresso Nacional.

“Tenho certeza de que o senhor Paulo César Quartiero não tem essa autorização. Quando nosso levantamento estiver concluído, vamos tomar providências”, explica o superintendente do Incra em Belém, Elielson Silva.

O instituto também está preocupado com um possível desalojamento da população ribeirinha e quilombola que o cultivo de arroz na região provocará. As autoridades suspeitam que Quartiero seja dono de 30% da área do município de Cachoeira do Arari, em Marajó, e que ele tenha comprado terras de ocupação tradicional de quilombolas no município vizinho, Salvaterra.

Procurado pela reportagem do jornal O Globo, Quartiero afirmou que as terras compradas não são públicas. “O Incra só mente, essa é mais uma mentira. Quem quer produzir no Brasil e ter possibilidade de sucesso é perseguido pelo Incra, que quer inviabilizar qualquer tentativa de progresso na região”, disse.

Paulo César Quartieiro já esteve preso em 2008 por tentativa de homicídio

O líder dos arrozeiros, Paulo César Quartieiro, já esteve uma prisão efetivada, mais precisamente no dia 06 de maio de 2008. Ele era o então prefeito da cidade de Pacaraima, em Roraima, e chefe dos funcionários que entraram em confronto com indígenas da reserva Raposa Serra do Sol, localizada no mesmo estado.

Na manhã anterior (05/05), os funcionários de Quartieiro balearam dez indígenas, deixando um gravemente ferido. A tensão na região ocorreu por conta da não-retirada dos arrozeiros que estavam na reserva homologada em 2005, pelo presidente Lula, e pertencente aos 18 mil índios que vivem na Raposa Serra do Sol.

A Polícia Federal foi a responsável pela prisão do proprietário. A assessoria de imprensa da PF informou que o ruralista teria sido preso em flagrante por porte ilegal de armas. Quartiero liderou o movimento de resistência à retirada de não-indígenas da reserva. Já o conflito posterior foi resultado da operação conhecida como Upatakon 3, que tinha como objetivo a retirada dos arrozeiros da região. A missão foi interrompida depois de uma decisão do Supremo Tribunal Federal. (Com MST)

A resistência dos arrozeiros na região e a suspensão da medida de retirada dos mesmos foram relacionadas a fatores político-econômicos. Os arrozeiros respondem por quase 6% da economia do estado de Roraima.

apoio o pc em todas decisoes qe tomar trabalhei pra ele sou um flagelado da raposa serra do sol perdemos muito la o brasil e o estado perdeu estive presente em varias manifestacoes conte comigo sempre deputado oje moro em rondonopolis parabens pela luta nunca desista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *