Jornal Meia Hora endossa preconceito ao invés de assumir seu papel de utilidade pública

 

Lesbofobia declarada de Marcelo Dourado estraçalha toda a luta de décadas dos Movimentos Feminista e LGBT

O Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT repudia veementemente a postura não só de Marcelo Dourado, que em rede nacional disse que “quebraria o dedo de Angélica e a espancaria até deixá-la arriada no chão, caso o programa não fosse gravado”, como também do Jornal Meia Hora que reproduz a lesbofobia do “brother”. Em um tom jocoso e zombeteiro, o veículo diz estar em parceria como uma rede de depilação e oferece tal serviço a sister Angélica, relacionando sua orientação sexual com os fenótipos masculinos. Vejam:

 

morango

 

Para a presidente do Grupo Arco-Íris, Gilza Rodrigues “a brincadeira é de péssimo gosto. Além de legitimar o preconceito, o jornal em questão demonstra sua total falta de respeito com a comunidade LGBT. Ao invés de cumprir sua função social de informação e utilidade pública, o veículo passa por cima de décadas de luta tanto do Movimento Feminista como do Movimento LGBT a fim de ampliar o número de vendas do periódico. Lamentável e preocupante! O Arco-Íris enviará o Manual de Comunicação LGBT para os editores do jornal” 
 
Ferramenta para uma imprensa mais justa
Recentemente foi lançado o Manual de Comunicação LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) na V Conferência Regional ILGA LAC. O evento contou com a presença do representante do Escritório das Nações Unidas no Brasil para Aids (UNAIDS), Pedro Chequer e dos jornalistas que participaram da elaboração do manual.
Trata-se de um guia para dirimir as dúvidas da mídia e da sociedade em geral sobre identidades de gênero e diversidade sexual, numa linguagem simples, direta e acessível.

O Manual se propõe a apoiar a integração entre a mídia e o movimento pela cidadania LGBT, para que as matérias, entrevistas, artigos e reportagens veiculadas na imprensa se pautem pelo respeito à diversidade e à justiça social. O documento traz uma série de definições de termos e conceitos, que muitas vezes são usados sem o conhecimento adequado, o que poderia acarretar um reforço nos estigmas, no preconceito e na discriminação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *