Jesus visita hotel de prostituição

Jesus visita hotel de prostituição. Por frei Gilvander Moreira[1]

Arte: Divulgação / redes sociais

Quando Deus andou no mundo..!”

“(…) as prostitutas vos precederão no Reino de Deus” (Mateus 21,31).

De que me vale ser filho da santa / Melhor seria ser filho da outra / Outra realidade menos      morta / Tanta mentira, tanta força bruta…” (Música Cálice, de Chico Buarque)

 

Certa vez, Jesus reuniu as discípulas e os discípulos e os convidou para a missão: “Quando vocês forem anunciar a Boa Nova do Reino, não levem dinheiro nem comida, mas confiem no povo. Digam: O Reino chegou! Está chegando!'” E as discípulas e os discípulos assim foram para a missão. Maria Madalena e Jesus também foram. Andaram, andaram. Estava começando a escurecer, quando, a convite de Maria Madalena, Jesus chegou num dos “hotéis de alta rotatividade” da rua Guaicurus, no centro de Belo Horizonte, região onde se concentra o maior número de mulheres que exercem a prostituição como profissão na capital de Minas Gerais. Jesus viu prédios velhos e mal cuidados. Viu os quartos de alguns hotéis em péssimas condições sanitárias, muito pequenos, e com pouca ventilação. Alguns não tinham sequer água encanada, em outros, apenas uma pia, ou um pequeno bidê e pia.

Perspicaz e com fino faro, Jesus não viu apenas as condições físicas dos hotéis de prostituição. Jesus viu milhares de mulheres que ali tentavam ganhar o pão de cada dia, quase todas mães, filhas empobrecidas de famílias do interior e até de outros estados do Brasil. Jesus ouviu ali que certos saduceus, ricos piedosos, sem nunca ouvir as ‘mulheres da batalha’ – ‘mulheres da vida’ -, as taxavam de promíscuas, de pecadoras e libertinas. Jesus ficou indignado com esse moralismo. Jesus viu que a luz e força divina estavam presentes naquelas mulheres prostituídas, pois encontrou muita humanidade no meio delas. Jesus viu que desde muito cedo aquelas jovens tiveram de buscar meios de promover o próprio sustento. Jesus viu nelas mães, que precisaram prover os próprios filhos desde a infância. Jesus viu que todas tinham no coração um grande sonho: melhorar de vida. “Sonhamos com dias melhores”, Jesus ouviu isso de várias.

Com muito respeito, após ver e ouvir muito, Jesus começou a dialogar com as ‘mulheres da batalha’. Perguntou: “Quais os motivos que levaram vocês a abraçarem a prostituição como uma profissão?” Uma a uma, foram dizendo: falta de orientação familiar, falta de oportunidades, necessidade de luxo, ilusão, baixa escolaridade, falta de profissão, filhos para sustentar, dificuldades da vida, necessidade de comprar o amor da família etc.

Jesus viu que as ‘mulheres da batalha’ almoçavam às pressas. Caso perdessem tempo, não conseguiriam pagar a diária no fim do dia e perderiam o acesso à chave do quarto no dia seguinte, por 6 ou 8 horas. “Não repare, mas coma com a gente!”, disseram a Jesus. Enquanto almoçava com elas, Jesus arriscou perguntar: “O que causa medo em vocês?” Disseram: “Os homens violentos com seus desejos abusivos, o autoritarismo dos gerentes dos hotéis, o medo de não conseguir pagar a diária, a falta de chaves (quartos) para trabalhar, o hotel sem clientes, AIDS, drogas, a doença mental, a discriminação…”. Uma que não quis revelar o nome desabafou: “A maior tristeza da prostituta é ser discriminada. Como posso falar que sou prostituta? Muitas pessoas nos julgam sem conhecer a gente a fundo. Deus não discrimina ninguém.”

Com olhar atento, respeitoso e sentindo com o coração, Jesus percebeu que reinava ali um clima amistoso. Ele viu que a ‘zona’ permite que a mulher encontre espaços para exercer um pequeno poder e para que os homens expressem suas fragilidades. Jesus ouviu lá: “Muitos homens vêm aqui para conversar e chorar; outros se tornam “clientes fixos” e estabelecem conosco um pacto de ajuda mútua.” Jesus se comoveu ao ouvir de uma ‘mulher da batalha’: “No dia que eu estava mal, as meninas vieram conversar comigo e eu acalmei. É pior ficar sozinha nessas horas.” Jesus ouviu também ‘mulheres da vida’ falando dos seus direitos trabalhistas e previdenciários sempre negados. Jesus asseverou que o princípio da dignidade da pessoa humana implica conceder direitos trabalhistas e previdenciários também às ‘mulheres da batalha”.

Jesus viu também como uma mulher mais experiente dava dicas a uma novata. Jesus viu que elas tinham fé em Deus, na vida e sentiam-se amadas por Deus. Jesus, quando menos se esperava, se viu rodeado por muitas mulheres. Ele espontaneamente acabou dizendo: “A paz esteja com vocês. Meu Deus é o Deus de vocês. Ele é nosso pai e nos ama infinitamente. Não pune e nem castiga ninguém, mas pede conversão e perdoa. Está sempre de braços e coração aberto para acolher todas suas filhas e seus filhos. Não tenham medo! Deus está com vocês. Ama vocês.” Nesse momento, uma delas falou: “Jesus, aqui todo mundo conhece você. Você é muito amigo da gente. Sinta-se em casa no meio de nós!” E Jesus desapareceu fisicamente da presença delas. “Cadê Jesus que estava aqui?”, gritou uma. Outra respondeu: “Ele está dentro de nós. Está vivo em nós e no nosso meio.”

Aquelas mulheres, uma vez mais, fizeram uma profunda experiência de Deus. Aquele homem que esteve com elas, diferente de outros homens que costumam visitá-las, não veio para usá-las e explorá-las, mas demonstrou profundo amor. Amor que entra no quarto de prostituição, que rompe todos os preconceitos e discriminação e toca a essência humana. Amor que anuncia a misericórdia e denuncia as injustiças. Aquelas mulheres sentiram-se profundamente amadas por este homem que liberta com sua capacidade de sentar ao lado e afagar a vida ferida de quem espera um gesto de amor e respeito.

Ao chegar a sua casa, Jesus olhou para sua mãe Maria e disse: “Mãe, o Reino de Deus também está lá no meio das ‘mulheres da batalha’! Mas fiquei indignado com os donos dos hotéis que ganham uma montanha de dinheiro submetendo as mulheres a situações degradantes. Vou enviar minhas discípulas e meus discípulos para que revelem às ‘meninas da batalha’ o amor de Deus e exijam dos patrões e do poder público respeito e condições dignas para elas”.

Nos corpos das ‘mulheres da batalha’ e nos corpos das agentes de Pastoral da Mulher Marginalizada, Jesus Cristo visita todos os dias e noites hotéis de prostituição. Agora entendo porque Jesus gostava de dizer: “As prostitutas vos precederão no Reino de Deus” (Mateus 21,31) e porque narrou no Evangelho de Mateus que somos também descendentes de prostitutas.

Alguém extasiado pela beleza e encanto de uma poesia de Adélia Prado, disse a Adélia Prado, que acabava de fazer uma palestra: “Adélia, você é a autora dessa poesia?” A poetisa de Divinópolis divinamente respondeu: “Não. Autora é a humanidade.” Com isso Adélia queria dizer: A inspiração para essa poesia brotou em mim, mas poderia ter brotado em qualquer pessoa do presente ou do passado, daqui ou de outro lugar. Somos filhas e filhos não apenas de nossos pais e mães, mas de nossos avós, bisavós …, de todos os nossos ancestrais. Fazemos parte de uma única comunidade de vida. Somos elos vivos de uma grande teia da vida.

Com saudade de Eliseu Lopes, grande biblista do CEBI que agora vive em plenitude, partilho com vocês o que ele sabiamente nos ensinou sobre mulheres prostituídas na nossa ascendência. Com Eliseu recordamos: “Jesus de Nazaré tem linhagem. Não é qualquer um. Antes de tudo, sua árvore genealógica em que os nomes são estacas que se alinham ao longo de toda a história do povo da Bíblia, a começar por Abraão, o Pai Abraão. Para o povo da Bíblia, o notável é que as genealogias, no patriarcalismo dominante, só comportavam nomes masculinos, mas no Evangelho de Mateus (Mt 1), figuram cinco nomes de mulheres chamadas de prostitutas, que dignificam a ascendência de Jesus de Nazaré: Tamar, Raab, Rute, a mulher de Urias (Betsabeia) e Maria. São mulheres que ocupam um lugar importante na História do povo da Bíblia. São mulheres que se distinguiram pela coragem, pela fidelidade, pela resistência, pela criatividade e pela astúcia.

Tamar, nora de Judá, ficou viúva e seu cunhado Onan se recusou a cumprir a lei do “levirato”, que dizia que o irmão do morto deveria assumir a viúva para dar-lhe descendência. Fiel à Lei, corajosa, criativa e astuciosa, Tamar disfarçou-se de prostituta para conseguir do sogro o seu direito, precavendo-se, com a exigência de um penhor, contra as inevitáveis consequências da gravidez (Gênesis 38).

Raab, também era considerada prostituta, acolhe na periferia da cidade de Jericó os Sem Terra espiões enviados por Josué, esconde-os para preservá-los do faro canino dos policiais, dá-lhes a fuga com as devidas instruções para escaparem ilesos e declara que o motivo de sua corajosa generosidade é sua fidelidade ao Deus de Israel. Na hora de partilhar a terra, a família de Raab ganhou um lote. Assim, a aliança dos pobres do campo com os pobres da cidade começou com uma mulher prostituída, Raab (cf. Josué 2 na Bíblia). A Bíblia faz questão de dizer que Jefté, grande juiz no meio do povo, era filho de uma prostituta (Juízes 11,1).

Rute, heroína do romance com seu nome, teve a coragem de deixar seu povo para acompanhar a sogra Noemi, num comovente testemunho de fidelidade à amiga. Teve a astúcia de conquistar as boas graças de Booz. Note-se que a história de Rute pertence à literatura de resistência à restauração implantada pelo sacerdote Esdras. Com Rute se privilegia uma estrangeira com a condição de bisavó de Davi (Rute 4,18-23).

A beleza de Betsabeia, mulher de Urias, enlouqueceu o rei Davi. Ela teve um papel saliente na sucessão de Davi e graças a ela é que o trono foi ocupado pelo seu filho Salomão. O simples fato de ser mãe de Salomão e a coragem com que enfrentou as intrigas da corte em um momento mais do que crítico, a consagram (I Reis 1).

Enfim Maria, jovem, fiel ao chamado do Deus da vida, corajosa, lutadora pela fraternidade econômica, politica, social, cultural e religiosa. A única não estrangeira, provavelmente era da estirpe de Davi, pois seu noivado com José supõe laços de parentesco. A mais jovem, talvez ainda quase adolescente, precocemente madura e lúcida. Ficou grávida ainda solteira. Teve muita coragem para enfrentar a inevitável maledicência do povo da pequena cidade de Nazaré na Palestina colonizada pelo Império Romano e pelo poder religioso do sinédrio. Com o progresso da gestação que se tornou visível, José mergulhou na angústia e caiu em um dramático dilema: denunciá-la para que fosse punida com os rigores da Lei ou abandoná-la. Ia optar pela segunda alternativa, quando um anjo do Deus da vida lhe apareceu em sonho e o tranquilizou com a revelação do mistério (Mt 1,18-25). Jesus de Nazaré é descendente de Tamar, Raab, Rute, a mulher de Urias (Betsabeia) e Maria, mulheres consideradas impuras, mas muito humanas.

A maior tristeza da prostituta é ser discriminada. Como posso falar que sou prostituta? Muitas pessoas nos julgam sem conhecer a gente a fundo. Deus não discrimina ninguém”, desabafam muitas ‘mulheres da batalha’. Jesus e Maria também foram discriminados. Por isso também, o Evangelho de Mateus fez questão de mostrar a presença de cinco mulheres tidas como prostitutas na história de Jesus. O povo da Bíblia viu nelas coragem, criatividade, sensatez, audácia, liberdade, disposição para a luta, muita humanidade… Isso levou Jesus a asseverar: “As prostitutas precederão vocês no reino dos céus” (Mateus 21,37).

Só podia ser Maria Madalena quem convidou Jesus para entrar em um hotel de prostituição. Apresentada como prostituta, Maria Madalena revela-se uma mulher corajosa, feminista, verdadeira discípula de Jesus e companheira fiel. E, certamente, não é por acaso que Maria Madalena é apresentada como testemunha da ressurreição e a primeira a fazer a experiência de  Jesus Ressuscitado – uma mulher considerada prostituta!

Ainda bem que o padre André Luna nos alerta na música Seu nome é Jesus Cristo: “Seu nome é Jesus Cristo e é difamado e vive nos imundos meretrícios, mas muitos o expulsam da cidade com medo de estender a mão a ele. Entre nós está e não o conhecemos. Entre nós está e nós o desprezamos.”

Enfim, como Tamar, Raab, Rute, a mulher de Urias (Betsabeia) e Maria há tantas mulheres que batalham, são amadas pelo Deus da vida e não podem ser discriminadas. Devem ser respeitadas na sua dignidade humana e precisamos estar ao lado delas na luta pelos seus direitos fundamentais.

Belo Horizonte, MG, 05/3/2018.

Obs.: O vídeo, abaixo, versa sobre o assunto correlato ao texto, acima.

1 – Palavra Ética, na TVC/BH: Júnia Roman Carvalho, defensora pública.

 

[1] Frei e padre da Ordem dos carmelitas; doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Ciências Bíblicas; assessor da CPT, CEBI, SAB e Ocupações Urbanas; prof. de “Movimentos Sociais Populares e Direitos Humanos” no IDH, em Belo Horizonte, MG. E-mail: [email protected]www.gilvander.org.brwww.freigilvander.blogspot.com.br      –       www.twitter.com/gilvanderluis        –     Facebook: Gilvander Moreira III

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *