Investigadores da ONU concluem: Israel massacrou civis em Gaza

Os genocídios e atrocidades perpetrados por Israel durante sua campanha de intimidação dos palestinos em dezembro/2008 e janeiro/2009 foram veementemente condenados pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, em relatório divulgado nesta terça-feira.

Segundo o documento, a ofensiva de Israel foi direcionada contra “o povo de Gaza em conjunto”, configurando “uma política de castigo”.

Mais: “Israel não adotou as precauções requeridas pelo direito internacional para limitar o número de civis mortos ou feridos nem os danos materiais”.

Portanto, o estado judeu “cometeu crimes de guerra e, possivelmente, contra a humanidade”.

Segundo o juiz sul-africano Richard Goldstone, que presidiu a missão de investigação da ONU, foram analisados 36 episódios ocorridos em Gaza, entre eles “alguns nos quais as forças armadas israelenses lançaram ataques diretos contra civis, com consequências letais”.

Pior ainda, os militares judeus recorreram exatamente às mesmas práticas que seu povo tanto deplorava nos nazistas: “Outros incidentes que detalhamos se referem ao emprego pelas forças israelenses de escudos humanos, em violação de uma sentença anterior do Tribunal Supremo israelense que proibiu essa conduta”.

Ou seja, é tão comum os israelenses servirem-se de seres humanos como escudos que seu principal tribunal já impugnou esta infamia, em vão!

É claro que os fanáticos do Hamas também são recriminados, mas a missão constatou a extrema desproporção entre os ataques sofridos por Israel e a forma avassaladora como reagiu. Foi o que Goldstone explicou à imprensa:

“O ataque contra a única fábrica que seguia produzindo farinha, a destruição da maior parte da produção de ovos em Gaza, a destruição com escavadeiras de enormes superfícies de terra agrícola e o bombardeio de 200 fábricas, não podem ser justificados de nenhuma maneira com razões militares. Esses ataques não tiveram nada a ver com o disparo de foguetes e morteiros contra Israel”.

A missão recomendou à Assembleia Geral da ONU que promova uma discussão urgente sobre o emprego do fósforo branco, que foi usado indiscriminadamente pelos israelenses contra a população civil de Gaza. A utilização militar do fósforo branco é proibida tanto pela Convenção de Genebra quanto pela Convenção de Armas Químicas.

E quem esperava do governo de Barack Obama uma postura menos aberrante no conflito do Oriente médio se decepcionou. Além de Israel, os Estados Unidos foram o único país a rejeitar o relatório, com uma justificativa que seria cômica se não fosse trágica, verbalizada por Michael Posner, secretário de Estado adjunto para Democracia, Direitos Humanos e Trabalho:

“Não se pode fazer equivalência moral entre Israel, um Estado democrático com direito à autodefesa, e o grupo terrorista Hamas, que respondeu à retirada israelense de Gaza aterrorizando os civis no sul de Israel”.

A verdadeira diferença entre as partes desse conflito é bem outra, conforme se deprende deste levantamento de um grupo israelense de direitos humanos, o B’Tselem: 1.387 palestinos foram assassinados em Gaza, 773 (55,7%) dos quais eram civis. Enquanto isso, as baixas israelenses se limitaram a dez militares e três civis.

Ou seja, para cada israelense morto, mais de cem palestinos tombaram.

Uma proporção que também nada fica a dever às retaliações nazistas.

Share

Comentários

comentários

Então, mesmo provando que houve massacre nada vai acontecer a Israel…

Que absurdo! Por muito menos qualquer país teria sido punido!

Isso se dá pelo simples fato não só desse “país” ter sido inventado, como reconhecido pelos EUA e pela Grã-Bretanha que, já sabendo do valor que o petróleo teria no mundo, arranjaram um pretexto para colocar um aliado e aos poucos – com os bilhões que Israel ganhou depois do final da guerra da Alemanha e da mesada que o Congresso sionista dos EUA lhe manda – destruir os árabes. Por isso, permite qualquer coisa da parte deles – mesmo que seja contra tudo que os EUA prega.

Já o Hamas (um movimento de resistência islâmica que luta pela sobrevivência do povo palestino) é considerado terrorista…

Eu acredito que na verdade Israel não engane mais ninguém. Só falta que os governos tomem vergonah na cara e acabem com esse protecionismo descarado e assassino. Pra mim, terrorista é Israel!

  • E é preciso a ONU dizer isso para que se acredite em tal fato? O Estado judeu comete massacres em Gaza e contra Palestinos a anos!!! Não dizendo que os palestinos sejam santos…Ambos cometem seus erros, mas PQP!!! Os Palestinos são massacrados a anos…175.000 expulsos da região de Israel quando o Estado se concretizou, 63.000 soldados israelenses contra 25.000 de 5 Estados Árabes…Sendo que o exército de Israel já nascia com uma força e potência enormes, e hoje é o maior, mais inteligente e bem treinado do mundo!!! A ONU, conforme uma charge publicada, virou as costas em momentos cruciais dessa guerra que perdura anos, e só faz é anunciar massacres e atitudes já tomadas por um lado ou outro, mas a própria ONU está de costas para esta situação a tempos…Enquanto os EUA presenteiam os Israel com uma bomba para que soltem em cima de Gaza e os Palestinos se fodam!!! Desesperados tentam sair correndo do ataque do “presentinho” dos visinhos…E vale lembrar que o Estado de Israel é um Estado Judeu, aqueles que comandam a economia mundial. (Ps.: não generalizando e nem colocando a culpa totalmente nos judeus, essa é uma questão que deve ser bem estudada e analisada de ambos os lados, e para isso, apenas as discussões de umas aulas de graduação não dão conta né?!)

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *