Hipertensão durante a gravidez aumenta riscos materno-infantis

A hipertensão é a complicação clínica mais comum da gestação, ocorrendo em 10 a 22% das gestações. As síndromes hipertensivas que acometem a mulher grávida são habitualmente classificadas de “hipertensão gestacional”, quando a pressão alta é diagnosticada pela primeira vez na gestação, e “hipertensão arterial crônica”, quando é diagnosticada antes da gestação. Ambas estão associadas a um aumento significativo de complicações perinatais (período imediatamente anterior e posterior ao parto), como mostra um estudo realizado por Cristiane de Oliveira e equipe da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

No trabalho, foram avaliadas retrospectivamente todas as pacientes que tiveram parto no período entre 1º de janeiro de 1996 e 31 de outubro de 2003 na Maternidade Escola da UFRJ. Foram selecionadas para o estudo 12.272 gestantes, das quais 10,26% apresentaram pressão arterial igual ou superior a 140/90 mmHg. No grupo com hipertensão gestacional e no grupo com hipertensão arterial crônica foram incluídas 2,8% e 7,45% das gestantes, respectivamente. No grupo das gestantes normotensas (com pressão arterial normal) foram incluídas 89,74% das gestantes. De acordo com artigo publicado na edição de janeiro/março de 2006 da Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, “o objetivo da pesquisa foi verificar o impacto das síndromes hipertensivas nos resultados perinatais das gestantes”. Leia matéria da Agência Notisa, reproduzida no Informe Sergipe, clicando no título.

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Opinião. Tags: .