Francisco: Presença de Deus

imagesMensagem do Papa Francisco – “Ângelus”, dia 27.11.2016

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje, se inicia na Igreja um novo Ano Litúrgico, isto é, um novo caminho de fé do Povo de Deus. E, como sempre, começamos com o Advento. A página evangélica nos introduz a um dos temas mais sugestivos do tempo do Advento: a visita do Senhor à humanidade. A primeira visita, todos sabemos, é a vinda com a Incarnação, o nascimento de Jesus, na gruta de Belém. A segunda acontece no presente: o Senhor nos visita continuamente, a cada dia, caminha ao nosso lado, e é uma presença de consolação. Enfim, haverá uma terceira, a última visita, que professamos cada vez que recitamos o Credo: “De novo, virá na glória, pra julgar os vivos e os mortos.”. Hoje, o Senhor nos fala desta Sua última visita, a que vai acontecer no fim dos tempos, dizendo-nos onde deve ser aplainado o nosso caminho. A Palavra de Deus faz destacar o contraste entre o desenrolar das normal das coisas, da rotina do dia-a-dia e a vinda imprevista do Senhor. Diz Jesus: “Tal como nos dias que precederam o dilúvio, comiam e bebiam, casavam-se, até ao dia em que Noé entrou na arca, e nada perceberam, até que veio o dilúvio e todos foram surpreendidos, assim diz Jesus. Sempre nos impacta pensarmos em momentos antes de um grande desastre, sem que nos demos conta de que a vida delas está por sofrer uma reviravolta.

O Evangelho, por certo, não nos quer fazer medo, mas abrir nosso horizonte à dimensão do “depois,” que é maior, que, por um lado, relativiza as coisas do cotidiano, mas, ao mesmo tempo, as torna preciosas, decisivas. A relação com o Deus-que-vem-visitar-nos confere a cada gesto, a cada coisa, uma luz diferente, um valor simbólico.

Desta perspectiva também vem um convite à sobriedade, a não sermos dominados pelas coisas deste mundo, pelas realidades materiais, mas, antes, a governá-las. Se, pelo contrário, nos deixarmos condicionar por elas, não podemos perceber que existe algo de muito importante: nosso encontro final com o Senhor – e isto é o importante – este encontro! E as coisas de cada dia devem ter este horizonte, devem estar endereçadas a este horizonte. Este encontro com o Senhor que vem em nossa direção. Nesse momento, como diz o Evangelho, “dois homens estarão no campo: um será levado, e o outro será deixado”. É um convite à vigilância, porque não sabendo quando Ele virá, precisamos estar sempre prontos a partir.

Neste tempo de Advento, somos chamados a alargarmos o horizonte de nosso coração, a fazer-nos surpreender pela vida que se apresenta, a cada dia, com suas novidades. Para tanto, devemos aprender a não dependermos de nossas seguranças, de nossos esquemas rígidos, porque o Senhor vem na hora em que não imaginamos. Vem para introduzir-nos numa dimensão mais bela e maior.

Que Nossa Senhora, Virgem do Advento, nos ajude a não nos considerarmo proprietários da nossa vida, a não fazermos resistência vier para mudá-la, mas a estarmos prontos para deixar-nos visitar por Ele, hóspede esperado e bem-vindo, ainda que desconcerte nossos planos.

https://www.youtube.com/watch?v=wkyJLTCmVbQ
(Do minuto 1:55 ao minuto 8:02)
Trad.: AJFC