Estudo da ONU sobre Violência contra as Crianças (2006)

Estudo do secretário-geral da ONU revela a natureza, extensão e causas da violência contra as crianças. Propõe recomendações para a adoção de medidas destinadas a prevenir e responder às situações em que ocorrer.

O Estudo debruça-se sobre cinco “ambientes” em que a violência ocorre: em casa e na família, na escola e ambiente. Embora inúmeros casos de violência continuem escondidos e por reportar – e, por esse motivo, os números ficam muito aquém da dimensão do problema – as estatísticas incluídas no relatório revelam um panorama alarmante. Por exemplo:

  • A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que em 2002, cerca de 53 mil crianças até 17 anos de idade foram vítimas de homicídio;
  • Segundo as últimas estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 5,7 milhões de crianças realizavam trabalhos forçados ou em regime de servidão, 1,8 milhões estavam envolvidas na prostituição e pornografia, e 1,2 milhões foram vítimas de tráfico no ano 2000.
  • Em 16 países em desenvolvimento analisados no âmbito de um Inquérito Mundial sobre Saúde realizado nas escolas, a percentagem de crianças em idade escolar que afirmaram ter sido vítimas de “bullying” (intimidação) verbal ou física na escola nos 30 dias anteriores à entrevista oscilava entre os 20% em alguns países e 65% em outros;
  • Segundo o estudo, as crianças que se encontram em centros de detenção são frequentemente vítimas de atos de violência por parte de funcionários da instituição, por vezes como forma de controle ou castigo, na maior parte dos casos por infrações menores. Em 77 países, os castigos corporais e outras formas de punição violentas são aceitas como medidas disciplinares legais em instituições penais.

Leia o estudo na íntegra, em português, em http://www.unicef.pt/pagina_estudo_violencia.php