Extermínio de pobres no Rio
.
investigação
Testemunha de chacina na Baixada Fluminense depõe e incrimina PMs

Uma testemunha prestou depoimento nesta segunda (29/8) e acabou por incriminar quatro dos policiais militares acusados de envolvimento na chacina ocorrida no dia 31 de março, nos municípios de Queimados e Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), informou a FOLHA ONLINE. Ela já está no programa de proteção às testemunhas. Ela disse ter visto os PMs chegando ao Lava-Jato Luizinho, onde algumas das 29 vítimas estavam quando foram mortas a tiros. Minutos depois, disse ter ouvido disparos de armas de fogo e, já escondida atrás de um muro, visto os réus saírem do local. Disse ainda que um carro da Polícia Militar passou pelo estabelecimento com o giroscópio ligado, mas sem sirene, no momento dos disparos. Ele, porém, teria seguido em frente, "sequer parando para prestar socorro". A matéria completa aqui ou no impresso.

segurança
Parentes de vítimas da Chacina da Baixada denunciam ameaças

Parentes de vítimas da Chacina da Baixada voltaram a sofrer ameaças. A denúncia foi feita por moradores do bairro Campo da Banha, em Queimados, município em que 12 das 29 vítimas foram mortas em 31 de março. Os outros foram mortos em Nova Iguaçu. A denúncia foi em encontro com o secretário de Segurança Pública, Marcelo Itagiba. Da Tribuna da Imprensa, 24/6..[+]

investigação
No quintal do crime

A confissão da principal testemunha da chacina da Baixada Fluminense, presa na última segunda-feira sob acusação de envolvimento num seqüestro ocorrido no dia 10 de março desse ano, levou policiais da 58ª DP (Posse) ao local usado como ponto de desova de corpos e veículos roubados na Baixada Fluminense. Do Jornal do Brasil, 13/5..[+]

Chacina: polícia investiga coronéis

A polícia investiga uma nova possibilidade de motivação para a chacina em que morreram 29 pessoas na Baixada Fluminense. O deputado Paulo Ramos (PDT) revelou que recebeu a denúncia de que, por trás da ação dos bandidos em Queimados e Nova Iguaçu, está a disputa por poder político na região. Do Jornal do Brasil, 6/5..[+].Do jornal O Dia, 6/5..[+]

vítimas
Moradores ainda traumatizados

Passado um mês do assassinato de 29 moradores dos municípios de Nova Iguaçu e Queimados, na Baixada Fluminense, pais, mães, irmãos, amigos e vizinhos das vítimas continuam sob o impacto da violência. Alguns lutam pela condenação dos criminosos. Outros não têm forças: preferem se recolher, com medo de serem mortos. Da Tribuna da Imprensa, 30/4..[+]

Missa lembra vítimas da chacina 

Irmã de Marco Aurélio Alves, 37 anos, um dos 29 executados na chacina da Baixada Fluminense, Márcia Cristina Alves perdeu a conta de quantas vezes rezou para pedir proteção para sua família, nos últimos 30 dias, diante do medo de represália por parte dos assassinos. Ontem, na missa em homenagem às vítimas do massacre, realizada na Igreja da Candelária, não foi diferente. Ao lado de outros parentes dos mortos e ainda sem qualquer amparo das autoridades, pediu mais uma vez por proteção e justiça. Do Jornal do Brasil, 30/4..[+]

reivindicação
Parentes de vítimas de chacina vão a Brasília

Quarenta parentes de vítimas da chacina da Baixada, em que 29 pessoas foram assassinadas em 31 de março, vão hoje a Brasília levar uma série de reivindicações ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e ao presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti. Os familiares pedirão ao ministro a criação da Coordenadoria de Direitos Humanos na Baixada, proteção para as testemunhas e parentes dos mortos e a criação de uma força-tarefa para acabar com grupos de extermínio que agem na região. Do jornal O Globo, 25/4..[+]

decepção
Medo que ronda a noite

Jovens moradores de Nova Iguaçu não conseguem esquecer o pavor deixado pela Chacina da Baixada, na noite do dia 31, quando 29 pessoas foram mortas. Muitos estão alterando suas rotinas. O motivo: medo de se tornarem vítimas. Do jornal O Dia, 24/4..[+]

Parentes de vítimas não recebem indenização

Depois da morte de Jonas Lima Silva, 19 anos, na chacina da Baixada Fluminense, quem assumiu as despesas da família foi Carlos Roberto Lima Vicente, 26 anos, seu irmão. Além da mãe, que não consegue trabalhar desde o incidente, ele agora tem que sustentar a avó, a tia-avó, a mulher e a filha de Jonas, de apenas nove meses. Carlos Roberto, que trabalha numa loja como vendedor, tem esperanças de que o dinheiro prometido pela governadora Rosinha Matheus aos familiares das vítimas da Baixada chegue o mais rápido possível. Do Jornal do Brasil, 24/4..[+]

investigação
PMs têm celulares rastreados

A quebra do sigilo telefônico dos 11 policiais militares acusados da chacina de 29 pessoas, no dia 31 passado, na Baixada Fluminense, pode levar a polícia a mais uma prova contra o grupo. Pelo rastreamento das ligações, os acusados da matança conversaram pelo telefone celular várias vezes na noite do crime. Do Jornal do Brasil, 22/4..[+]

Digitais complicam situação de cabo

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) confirmaram ontem que são do cabo Marcos Siqueira Costa as impressões digitais encontradas no retrovisor de um Gol branco, apontado como um dos carros vistos na noite da chacina na Baixada. Do jornal O Globo, 21/4..[+]

Soldado acusa colegas

Preso por suspeita de participar, juntamente com outros 10 PMs, da Chacina da Baixada, o soldado Fabiano Gonçalves Lopes, do 24º BPM (Queimados), afirmou em depoimento ter encontrado quatro policiais no Bar Águia Branca, em Nova Iguaçu, momentos antes do massacre. Fabiano negou ligação com as 29 mortes, mas admitiu que o grupo planejava banho de sangue naquela data. Do jornal O Dia, 21/4..[+]

chacina
Sonhos partidos a bala

Tiros disparados por PMs interromperam futuro de 30 inocentes, entre eles jovens que sonhavam ser atletas, policiais e médicos. Do jornal O Dia, 10/4..[+]

Testemunhas se escondem fora do Rio

O advogado João Tancredo entrou com ação na Justiça ontem pedindo que o governo do Estado do Rio financie os gastos de cinco famílias de vítimas e testemunhas da chacina da Baixada Fluminense, ocorrida no dia 31 de março. A ação, feita com pedido de antecipação de tutela, foi protocolada às 17h e será distribuída hoje. As cinco famílias já estão fora do Estado do Rio, em casas de parentes ou amigos. Do Jornal do Brasil, 19/4..[+]

Seis vítimas com tiros na nuca

O diretor de Polícia Técnica, Roger Ancilloti disse ontem que os assassinos fizeram 96 disparos, o que representa a média de mais de três tiros por vítima. Dois dos mortos foram atingidos 13 vezes, enquanto outros seis morreram com um único tiro na nuca. Ontem, a polícia confirmou que a casa em Queimados, onde os PMs extorquiam caminhoneiros, foi alugada pelo cabo do 3º BPM (Méier) Gilmar da Silva Simão, um dos suspeitos. Do Jornal do Brasil, 16/4..[+]

investigação
PMs da Baixada têm mais 25 crimes

O chefe de Polícia Civil, delegado Álvaro Lins, disse ontem, em entrevista ao “RJ-TV”, da Rede Globo, que os policiais presos por suspeita de participação na chacina de 29 pessoas na Baixada Fluminense estão sendo apontados como responsáveis por pelo menos 25 outros crimes ainda não esclarecidos, entre eles seqüestros e homicídios. Um dos casos é do PM Carlos Jorge Carvalho, reconhecido por testemunhas como o assassino de seis jovens em Belford Roxo, em 7 de setembro de 2001, como O GLOBO noticiou terça-feira. Por esse crime, ele irá a júri este ano. Do jornal O Globo, 15/4..[+]

Mais 21 mortos na conta de PMs

Em uma checagem feita pela Polícia Civil, dos autos de resistência - quando os PMs matam alegando legítima defesa - foram encontradas 15 mortes em que policiais do massacre do último dia 31 de março aparecem como suspeitos. A lista pode ser ainda maior, pois investigadores afirmam que há pelo menos 25 crimes não esclarecidos que podem ter autoria ou co-autoria dos envolvidos. Do Jornal do Brasil, 15/4..[+]

Perícia vistoria hoje Gol visto na chacina

O Gol prata KND 4208 usado, segundo testemunhas, pelo soldado Carlos Jorge Carvalho na Chacina da Baixada será examinado hoje por peritos da 59ª DP (Caxias). O veículo tem as mesmas características de um dos carros utilizados no seqüestro de André Luiz de Almeida Sales, 27 anos, e de Anderson Ferreira Gomes, 28. Os corpos dos dois foram encontrados, dia 30, véspera do massacre, na Rua Jorge Vieira de Medeiros, atrás do 15º BPM (Caxias). A cabeça de André Luiz foi colocada sobre uma Blazer no estacionamento do quartel. Do jornal O Dia, 14/4..[+]

Denúncia derruba álibi de policiais indiciados

O depoimento de uma testemunha derrubou o álibi de pelo menos quatro PMs indiciados pela chacina da Baixada. Eles alegaram que ficaram em casa na noite de 31 de março, quando ocorreram os crimes. A testemunha, no entanto, garantiu que o grupo ficou no bar Águia Branca, no Centro de Nova Iguaçu (a 200 metros da sede da Polícia Federal), das 16h às 20h, cerca de 30 minutos antes do início da matança, no bairro da Posse. Do jornal O Globo, 14/4..[+]

Os quatro mensageiros do terror

Quatro PMs assassinaram 27 das 30 vítimas da chacina da Baixada Fluminense, ocorrida quinta-feira da semana retrasada, nos municípios de Queimados e Nova Iguaçu. Os acusados, segundo testemunhas localizadas pelo GLOBO, são Carlos Jorge Carvalho, do 20 BPM (Mesquita); Marco Siqueira Costa e José Augusto Moreira Felipe, do 24 BPM (Queimados); e Júlio César Amaral de Paula, do Grupamento Especial Tático-Móvel (Getam) da Baixada. A informação foi confirmada por autoridades que investigam o caso e consta dos inquéritos instaurados pela Justiça estadual, que estão sob sigilo. Os PMs negam o envolvimento nas mortes, mas foram identificados por testemunhas e estão presos por decisão judicial. Do jornal O Globo, 10/4..[+]

Mais dois policiais do Batalhão de Queimados são reconhecidos por testemunha

Suspeitos de participar da chacina que terminou com 30 pessoas mortas na Baixada Fluminense, em 31 de março, os soldados Valter Mário Tenório Valin e Marcelo Barbosa Oliveira, lotados no 24º BPM (Queimados), foram reconhecidos ontem à noite, na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), em Belford Roxo. Já foram identificados seis policiais, pelo menos. Estão detidos por suspeita de participar do massacre 12 PMs – oito deles indiciados pela Polícia Federal. Do jornal O Dia, 10/4..[+]

manifestação
Cerca de 400 fazem manifestação em memória das vítimas da chacina no Rio

Cerca de 400 pessoas fizeram, neste sábado, uma passeata pelas ruas de Queimados, na Baixada Fluminense (RJ), para pedir paz e punição aos culpados da chacina na Baixada Fluminense (RJ), que deixou 30 mortos na semana passada. Os parentes de algumas das 12 vítimas do município desistiram de participar da manifestação por não aceitarem a presença de um grupo de policiais militares do Batalhão de Queimados - onde estão lotados alguns dos suspeitos do crime. Da Folha Online, 9/4..[+]

Parentes de mortos criticam participação da polícia

A presença de 25 policiais do 24º BPM (Queimados) com cartazes em solidariedade às vítimas da chacina na Baixada Fluminense gerou protestos de parentes das vítimas durante manifestação, ontem pela manhã, em Queimados. Indignados, os pais do estudante Marcelo Júlio Gomes do Nascimento – uma das vítimas do massacre – abandonaram a passeata em repúdio à participação dos PMs. Do jornal O Dia, 10/4..[+]

investigação
Ação marcada pela crueldade

De uma pistola, partiram os disparos que mataram sete pessoas. Oito vítimas do massacre morreram com tiros na nuca e no rosto. Do jornal O Dia, 7/4..[+]

reação
Anistia enviará à ONU pedido de ajuda e relatório sobre mortes

Depois da repercussão nos jornais estrangeiros, o caso da chacina de Nova Iguaçu e Queimados chegará à Organização das Nações Unidas (ONU). O representante da Anistia Internacional, Tim Cahill, disse ontem que vai encaminhar à ONU um relatório sobre as mortes ocorridas, na Baixada Fluminense, semana passada. "Sabemos que pouquíssimos homicídios que acontecem no Rio são investigados. Queremos que a ONU nos ajude a cobrar das autoridades a punição dos culpados desta chacina", explicou Cahill, que terá encontro esta semana com o secretário Marcelo Itagiba. Do jornal O Globo, 6/4..[+]

investigação
Encontrado carro usado na chacina

Apontado por testemunhas como o carro usado pelos autores da chacina da Baixada Fluminense, o Gol prata apreendido ontem de madrugada é considerado por policiais mais um indício de participação dos PMs suspeitos pelo crime. Do Jornal do Brasil, 7/4..[+]

Rastro de mortes na Baixada

Polícia fará devassa na atuação de maus PMs na região. Há fortes indícios de que suspeitos do massacre executaram outras pessoas. Do jornal O Dia, 6/4..[+]

Outros crimes no currículo

Cabo e soldado são investigados desde 2002 pela Corregedoria. Dupla é apontada como envolvida em extorsões e mais execuções. Do jornal O Dia, 6/4..[+]

Exterminadores divididos em ‘facções’, como o tráfico

O serviço de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública recebeu informações de que os grupos de extermínio formaram ‘facções’, e cada uma atua num território do Rio – uma forma de organização parecida com a do tráfico de drogas. Uma das quadrilhas identificadas age nos bairros de Madureira, Campinho, Bento Ribeiro e Osvaldo Cruz. De acordo com as investigações, o bando foi apelidado de Comando Falcon, numa referência a um policial civil que chefiaria o grupo. Outros cabeças do bando seriam o policial civil, identificado como Jerry, e soldados da PM com apelidos de Palma e Macalé. Do jornal O Dia, 6/4..[+]

Comissão da Câmara vai acompanhar investigações

Uma comissão externa formada por oito deputados vai acompanhar os trabalhos de investigação da chacina ocorrida na semana passada na Baixada Fluminense (RJ). A comissão foi criada hoje (6/4) pelo presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP-PE). O deputado Nelson Bornier (PMDB-RJ) foi designado presidente da comissão. Também fazem parte da comissão os deputados Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), André Costa (PT-RJ), Aldir Cabral (PFL-RJ), Itamar Serpa (PSDB-RJ), Almerinda de Carvalho (PMDB-RJ), Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Reinaldo Betão (PL-RJ). A comissão vai trabalhar sem ônus para a Câmara dos Deputados. As informações são da Agência Brasil.

relatos
Testemunhas afirmam que a matança foi anunciada

Vizinhos de um bar em Queimados, onde um homem foi assassinado na chacina de sexta-feria, 18 testemunhas passaram o dia ontem em busca de guarida. Depois dos crimes, o grupo, com quatro adultos e 14 crianças e adolescentes entre 4 e 16 anos, conta ter recebido ligações aconselhando-os a deixar o bairro. Com medo, eles procuraram a Fundação para a Infância e Adolescência (FIA) e a Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa. O relato das testemunhas mostra que a chacina foi premeditada: eles contaram ter sido advertidos, três dias antes, que os crimes aconteceriam. Do jornal O Globo, 5/4..[+]

Depois da tragédia, ameaças

Dezoito testemunhas da chacina que matou 12 pessoas quinta-feira à noite, em Queimados, disseram ontem, na Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), que estão sendo ameaçadas. Eles contaram que estão recebendo intimidações por telefone e pessoalmente para abandonar suas casas e pediram proteção. O grupo, de quatro famílias, afirmou ainda que, três dias antes do crime, recebeu aviso de que “alguma coisa grave aconteceria na rua”. Do jornal O Dia, 5/4..[+]

Testemunhas na mira de assassinos

Com medo de serem mortas, 18 testemunhas da chacina da Baixada Fluminense deixaram ontem suas casas em Queimados. Os quatro adultos e 14 menores, com idades entre quatro e 16 anos, pediram proteção à Comissão de Direitos Humanos da Alerj. As testemunhas estão sendo intimidadas por meio de recados transmitidos pelo telefone e pessoalmente. A ordem é deixar o bairro. Elas teriam sido avisadas três dias antes da matança que um fato grave ocorreria no local. Na noite de ontem, as testemunhas prestaram depoimento à Polícia Civil. Do Jornal do Brasil, 5/4..[+]

reação
Doze PMs atrás das grades

Doze policiais militares estão na cadeia – cinco por determinação da Justiça e sete detidos administrativamente em seus batalhões – por suspeita de participação na Chacina da Baixada, em que 30 pessoas foram mortas na noite de quinta-feira. Ontem, durante operação em seis endereços de três dos PMs, foram encontrados um Gol preto furtado, com placa clonada e chassi adulterado, munição calibre 380 e 40, colete da Polícia Ferroviária, jóias, algemas, radiotransmissores e carregadores de pistola. Do jornal O Dia, 5/4..[+]

Chico Alencar defende medidas para diminuir crimes cometidos por policiais

RIO. O deputado federal Chico Alencar (PT/RJ) defendeu hoje a realização do referendo sobre o desarmamento, a instalação do Sistema Único de Segurança no Rio de Janeiro e o aumento da pena para policiais que usem as armas indevidamente como medidas para acabar com crimes, como a chacina de 30 pessoas na Baixada Fluminense, na semana passada. Sobre os crimes, o deputado anunciou que serão realizadas palestras para líderes comunitários de Nova Iguaçu, um ato religioso em Queimados nesta quinta-feira (7/4) e uma caminhada no sábado, a partir da Catedral de Nova Iguaçu, pedindo por justiça. Da Agência Brasil, 5/4..[+]

Governo do Rio pagará pensão às famílias de vítimas de chacina na Baixada

RIO. A governadora do Rio, Rosinha Matheus, anunciou hoje que o governo do estado vai pagar pensão às famílias das vítimas dos crimes ocorridos na semana passada nos municípios de Nova Iguaçu e Queimados, na Baixada Fluminense, onde 30 pessoas foram executadas a tiros em pontos diferentes das duas cidades. Rosinha Matheus determinou que o secretário estadual de Direitos Humanos, Jorge da Silva, entre em contato com parentes das vítimas para tomar as providências necessárias. Da Agência Brasil, 4/4..[+]

investigação
Força-Tarefa acaba horas após ser anunciada

Marcada para ser um encontro de autoridades na caçada aos autores do massacre de 30 pessoas na Baixada Fluminense, a reunião ocorrida ontem de manhã entre o secretário de Segurança, Marcelo Itagiba, e o superintendente regional da Polícia Federal, José Milton Rodrigues, acabou mostrando que as duas corporações estão desalinhadas. Em entrevista coletiva pela manhã na Secretaria de Segurança, os dois anunciaram a criação de uma força-tarefa para investigar e combater grupos de extermínio no Estado. No fim da tarde, porém, José Milton voltou atrás dizendo que a participação da Polícia Federal vai se resumir à investigação da chacina. Do jornal O Globo, 5/4..[+]

Onze policiais são detidos sob suspeita de chacina no Rio

Onze policiais militares foram detidos pela polícia sob suspeita de terem participado da chacina da Baixada Fluminense, que deixou 30 vítimas na semana passada, informou a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro na segunda-feira. Um outro policial ainda está foragido. "Todos os presos não participaram necessariamente da chacina. Eles foram presos porque foram citados e porque têm que esclarecer porque estiveram perto ou no local do crime no dia da chacina", disse o secretário de Segurança, Marcelo Itagiba. Da Reuters, 4/4..[+]

reação
‘Um fato grotesco, lamentável’
 

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson de Aguiar Miranda, vai tomar medidas drásticas para desmontar o que caracterizou como ‘feudos’ de interesses particulares na corporação, na Baixada Fluminense. Revoltado com o que considerou falta de pulso sobre a tropa por parte dos supervisores, Hudson anunciou a transferência para outros pontos do estado de todos os oficiais há mais de cinco anos na região. Do jornal O Dia, 3/4..[+]

Entre o medo e a revolta

Dois dias depois da matança, o sentimento de revolta se misturava ao medo. Parentes e amigos que foram ontem a cemitérios em Queimados, Mesquita e Nova Iguaçu para acompanhar o enterro de oito das 30 vítimas da chacina da Baixada protestaram, pediram justiça e afirmaram que, enquanto não houver solução para o caso, a população viverá sob o estigma do terror. Todos, no entanto, se recusaram a falar sobre a participação de policiais. À noite, as ruas de Nova Iguaçu e Queimados, cenário dos crimes, ficaram desertas. Bares fecharam e poucos carros circularam. Do jornal O Globo, 3/4..[+]

cobertura
Quanto vale uma vida?

Criança, estudante, comerciante, desempregado, funcionário público, marceneiro, pintor, garçom e o papa. Todos estão, neste momento, "tocando o Senhor". A diferença é de que forma foram tratados por nós antes de chegarem lá. Da redação, 2 de abril, 2005..[+]

investigação
Testemunhas reconhecem dois suspeitos

A comissão criada pela Secretaria de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro para investigar a chacina ocorrida nos municípios de Nova Iguaçu e Queimados, na Baixada Fluminense, mantém neste domingo o trabalho de investigação dos culpados. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria, dois homens suspeitos de participação do crime foram reconhecidos por testemunhas na 58ª Delegacia Policial, em Nova Iguaçu. A chacina, que deixou 30 mortos na madrugada de sexta-feira (1º/4), é a maior já registrada no Estado desde 1993, quando morreram 21 pessoas em Vigário Geral. Da Agência Brasil, 3/4..[+]

antecedentes
Maioria dos acusados em outros casos foi absolvida

As chacinas de Vigário Geral e da Candelária, que chocaram os cariocas e alcançaram repercussão mundial, têm mais pontos em comum do que o fato de terem sido cometidas em 1993 por policiais militares movidos por vingança. Os dois casos terminaram com a absolvição de boa parte dos acusados de terem matado no total 29 pessoas, oito menores nas proximidades da Igreja da Candelária e 21 moradores de Vigário Geral. Dos 52 acusados da chacina na favela, só seis foram condenados. Os outros — o último julgamento aconteceu no mês passado, mais de uma década após o crime — foram absolvidos por falta de provas. Do jornal O Globo, 2/4..[+]

perdas
DOR

Depois de uma manhã de trabalho na padaria e de passar a tarde na escola, Douglas Felipe Brasil de Paula, 14 anos, que sonhava em servir ao Exército, voltava para casa. A poucos metros do destino, fez um pedido à avó: queria jogar fliperama. ''É só uma ficha'', e Creusa Regina Xavier, 45, concordou em deixar o neto, que trabalhava desde os 7 anos, brincar por alguns minutos. Do Jornal do Brasil, 2/4..[+]

O drama dos sobreviventes

Parentes de três sobreviventes da chacina passaram a madrugada e o dia de ontem na porta da Emergência do Hospital da Posse em busca de notícias sobre o estado de saúde das vítimas, que deram entrada na unidade entre 21h e 21h30. Leonardo Felipe da Silva, 15 anos, e Kênia Modesto Dias, 27, ficaram em estado grave. A esperança em ver o filho Leonardo vivo terminou para a dona-de-casa Adriana Dias, às 16h de ontem, quando recebeu a informação dos médicos de que o estudante teve morte cerebral. Ele levou um tiro na cabeça enquanto jogava fliperama no bar Caíque, Rua Gama, Posse, em Nova Iguaçu. Do jornal O Dia, 2/4..[+]

Dor e revolta marcam enterros das vítimas

Mais do que dor, extrema revolta era o sentimento dos parentes de 15 das 30 vítimas da chacina. Os sepultamentos foram realizados em cemitérios de Nova Iguaçu, Austin, Mesquita e Queimados. Em Austin, exibindo cartazes com fotos das vítimas e entoando coros em que pediam justiça, os parentes ouviram promessas de empenho nas investigações do secretário nacional de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, de parlamentares federais e estaduais e do prefeito do município, Lindberg Farias (PT). Do jornal O Globo, 2/4..[+]

Comoção no enterro das vítimas

Desmaiada, Maria Helena Soares não conseguiu assistir ao enterro do filho, Felipe Soares Campos, de 13 anos. Durante o velório, na capela do Cemitério Carlos Sampaio, em Austin, na Baixada Fluminense, ela agarrava o caixão branco para que os parentes e amigos não levassem o corpo. Do Jornal do Brasil, 2/4..[+]

investigações
PF já atua nas investigações de chacina no Rio 

RIO. Agentes da Polícia Federal de Nova Iguaçu e da superintendência do Rio de Janeiro já estão trabalhando no apoio às investigações conduzidas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública, para prender os responsáveis pela chacina que matou 30 pessoas, em Nova Iguaçu e Queimados. Os federais iniciaram suas diligências nesta sexta-feira, logo depois que o superintendente da PF no Rio, delegado José Nilton Rodrigues, determinou instauração de inquérito para investigar a chacina sob a coordenação da Polícia Federal de Nova Iguaçu. Da Agência Brasil, 2/4..[+]

Polícia já tem dois suspeitos

A hipótese de dois policiais militares dos batalhões de Queimados (24º) e Mesquita (20º) terem participado da chacina de quinta-feira é investigada pela polícia. Os dois policiais, cujos prenomes seriam Fabiano e Felipe, são conhecidos em diversas regiões da Baixada Fluminense como violentos. Do Jornal do Brasil, 2/4..[+]

reações
Deputado quer pensões para famílias de vítimas

O deputado Alessandro Molon, membro da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, disse que vai propor, terça-feira, um projeto de lei que garanta, além de indenizações, pensões para as famílias cujos provedores tenham sido mortos. De acordo com ele, se ficar comprovada a participação de PMs na matança, o estado tem a obrigação de pagar o sustento das famílias. Os deputados federais Fernando Gabeira e Chico Alencar disseram que criarão uma comissão externa à Alerj para acompanhar as investigações. Eles prometeram às famílias das vítimas que se empenharão pessoalmente para garantir que os culpados não fiquem sem punição. Do jornal O Globo, 2/4..[+]

Todas as vozes se unem contra o massacre

RIO e BRASÍLIA. A indignação com o massacre na Baixada Fluminense uniu defensores dos direitos humanos, parentes de vítimas de outras chacinas, estudiosos da violência e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em nota divulgada na noite de ontem pelo Palácio do Planalto, o presidente diz que recebeu com revolta à notícia da chacina. Lula diz ainda que o governo federal “não poupará esforços para, em conjunto com as autoridades estaduais e municipais, encontrar e punir os responsáveis por esse crime bárbaro e covarde”. Do jornal O Globo, 2/4..[+]

Justiça Global levará relato sobre chacina à ONU e à OEA

BRASÍLIA. A organização não-governamental Justiça Global, em nota divulgada nesta sexta-feira, informa que levará ao relator sobre Execuções Sumárias da ONU (Organização das Nações Unidas), Philip Alston, e à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) relatório sobre a violência no Rio de Janeiro, em especial sobre a morte de 30 pessoas nos municípios de Nova Iguaçu e Queimados, na Baixada Fluminense. E solicitará "que se manifestem frente aos governos Federal e do Rio de Janeiro exigindo uma apuração rigorosa". Da Agência Brasil, 1/4..[+]

barbárie
Só pelo terror

Criança, estudante, comerciante, desempregado, funcionário público, marceneiro, pintor, garçom. Durante quase duas horas, numa extensão de 15 quilômetros na noite de anteontem, bandidos mataram 30 pessoas inocentes, nos municípios de Queimados e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Apenas dois deles tinham antecedentes criminais, mas já nada deviam à Justiça. Em alguns dos 11 diferentes lugares onde os assassinos atacaram, testemunhas disseram que eles usavam máscaras semelhantes à do personagem do filme “Pânico”, palavra que agora resume o sentimento que se espalhou pela região. Do jornal O Globo, 2/4..[+]

Selvageria contra inocentes

Bando matou 30 pessoas, atirando em quem passava pela frente. Adolescente teve morte cerebral. Suspeitos do crime são policiais. Do jornal O Dia, 2/4..[+]

Jovem se fingiu de morto sob o corpo de amigo

Na Semana Santa do ano passado, Z., de 15 anos, viu o corpo do pai, morto a facadas, numa rua do bairro Coelho, em São Gonçalo. Em choque, pediu à mãe para se mudar dali. Foi o que ela fez. Há pouco menos de um ano, escolheram o bairro Cerâmica, em Nova Iguaçu, como novo endereço. Na noite de anteontem, porém, o menino voltou a entrar em estado de choque. Ele era uma das pessoas que estavam no Bar Caíque, onde dez foram mortas. Do jornal O Globo, 2/4..[+]

Chacina em Queimados e Nova Iguaçu: ao menos 30 pessoas mortas

Um grupo de extermínio formado por homens armados executou a tiros, na quinta-feira à noite, pelo menos 30 pessoas em chacinas em dois municípios vizinhos da Baixada Fluminense - Nova Iguaçu e Queimados. Das vítimas, 17 já foram identificadas. Três estão internadas no Hospital da Posse em Nova Iguaçu, sendo que o jovem Felipe da Silva, de 15 anos, que levou um tiro na cabeça, passará por uma bateria de exames para confirmar a morte cerebral. A suspeita é de que Policiais Militares estejam envolvidos na barbárie. D'O Globo, Extra e CBN, 1/4/2005. [+]

barbárie
Pelo menos 30 morrem executados no Rio; PMs são suspeitos

.
Foto: Celso Meira, Globo Online
RIO DE JANEIRO. Pelo menos 30 pessoas foram executadas no fim da noite de quinta-feira (31/3) em dois municípios da Baixada Fluminense. Os crimes foram praticados por homens fortemente armados que estariam em um veículo Gol. Dezesseis pessoas foram assassinadas no bairro da Posse, em Nova Iguaçu, 12 no município de Queimados e outras duas durante a fuga dos agressores, na proximidades da rodovia Presidente Dutra. Entre as vítimas, há crianças, adolescentes, mulheres e homens. A polícia procura outras pessoas que teriam sido alvejadas. Da Reuters..[+].Do Jornal do Brasil..[+].Do jornal O Dia..[+].Do jornal O Globo..[+].D'O Globo, Extra e CBN. [+]
Consciência.Net
Nota em inglês
Nota em francês
 
Rio
Interior fluminense
Principal

Estamos mais covardes que na época da ditadura. Não podemos aceitar uma chacina como coisa natural

Fernanda Montenegro, atriz, sobre o massacre na Baixada